4 atitudes para começar o próximo ano com o pé direito

É como diz aquele velho ditado: ano novo, a mesma vida de sempre.

Quer dizer. . . não, calma.

A ideia desse post veio da fofa Priscila Buares, leitora organizada lá do Instagram! Se esse texto te acrescentar alguma coisa, você já sabe a quem agradecer.

 
 

Estamos carecas de saber da ironia do ano novo: pessoas animadíssimas loucas para gastar dinheiro, virar a página, suspirando de amores pela possibilidade de começar tudo de novo e melhorar de vida.

As mesmas pessoas que passam o próximo ano fazendo exatamente as mesmas coisas de antes.

De repente esse também é seu caso?

Colocar em prática as resoluções de ano novo é um desafio. Falar é fácil, afinal de contas; fazer por onde e realmente ter trabalho são outros quinhentos.

– isso me lembra de uma expressão em inglês: put your money where your mouth is. O significado é o mesmo que “aja de acordo com as coisas que você fala”. –

Isso daria muito pano para manga e talvez eu precisasse de mais um texto inteiro só para falar dessa questão. Porque temos toda essa dificuldade de colocar a mão na massa? Porque a gente fala muito e faz pouco?

Porque é tão complicado assim para algumas pessoas terminarem as coisas que começam? Vou escrever sobre isso mais tarde com toda a certeza; mas o meu objetivo de hoje é outro.

Hoje eu quero te inspirar.

Quero encher a sua cabeça de ideias e hábitos saudáveis e produtivos. Coisas práticas que você pode fazer para melhorar a vida e deixar a sua rotina e o seu fluxo de trabalho mais otimizados.

Quem sabe uma dessas ideias não te inspira a agir?

 
 

Para administrar melhor o seu tempo

O recurso mais importante do mundo e também o mais escasso. Fazer vista grossa para onde está indo o seu tempo é uma das formas mais seguras e garantidas de desperdício de vida.

Para começar o ano com o pé direito, que tal aderir à técnica Pomodoro? Ela é super famosa, e por um bom motivo.

A ideia é a seguinte: você coloca um timer de 25 minutos para correr e trabalha de modo intenso e focado durante esses minutos. Quando acabar, dá uma pausa de 5 minutos e começa o ciclo novamente.

Existem dezenas de modificações dessa técnica. Algumas pessoas usam a proporção 40/10, outra usam 60/15. Você pode adaptar essa ideia para a janela de tempo que melhor te servir, é claro.

Quando fizer 3 ou 4 ciclos de de Pomodoro você faz uma pausa maior. Simples e efetivo.

Vira e mexe eu divido o meu tempo de trabalho dessa forma, principalmente quando estou me sentindo sobrecarregada e não quero ter o trabalho de pensar muito antes de começar a agir. Essas pequenas janelinhas de tempo me mantém com os pés no chão.

Outra excelente tática para você começar a implementar são os blocos de tempo. Também é uma ideia simples, mas bem efetiva.

Divida o seu tempo livre (e o de trabalho) em blocos de 1h30 ou 2h.

Você trabalha em casa ou estuda e tem uma bastante flexibilidade para montar os seus horários? Ou trabalha fora e precisa seguir um regime fixo? Quantos blocos de 1h30 ou de 2h você teria durante a semana?

A ideia é programar com antecedência o que você vai fazer em cada dia. Você pode dividir os blocos por tipo de trabalho ou por área de prioridade. Segunda-feira pode ter três blocos de tempo reservados para estudar, dois blocos para relaxar e mais dois blocos para fazer as tarefas da casa.

Essa programação pode ficar na sua agenda, no calendário ou preso em um papel no quadro de avisos. 

A principal vantagem em dividir o dia em blocos de tempo é que você se poupa o trabalho de ficar toda hora decidindo o que fazer em seguida. Se você detesta rotinas engessadas, deixe alguns blocos de tempo livres – afinal de contas, imprevistos sempre vão existir.

Quer mais dicas sobre o assunto?

Veja esse artigo sobre como a matriz de Eisenhower pode te ajudar ou leia esse texto com 5 dicas para aproveitar melhor o seu tempo.

 

Para lidar melhor com as tarefas

Eu poderia te aconselhar várias técnicas diferentes, mas vou me concentrar em te dar um único conselho muito bom.

Aplique isso de verdade e você vai ver como o caos da vida vai demorar a te importunar de novo.

Para cada grande projeto ou área de foco (trabalho Y, família, voluntariado, curso Z, faculdade, etc.) tenha uma lista de tarefas que precisam ser feitas. 

Deixe cair da sua mente todas as ações referentes àquela área ou projeto e ponha tudo em um lugar só. Vamos chamar essa lista de backlog (quem conhece a lógica do Scrum já sabe onde eu quero chegar, né?).

Escolha um punhado dessas tarefas para serem feitas e as coloque em outra lista: em andamento, fazendo, tarefas atuais, o que for. Durante os próximos X dias essas serão as ÚNICAS tarefas que você vai fazer.

Decida de quantos dias serão o seu sprint (ou seja, a sua jornada de trabalho) e se dedique exclusivamente às tarefas que você selecionou durante esse tempo.

Se você fizer tudo antes do final do sprint, pegue mais tarefas do backlog. Se faltar tempo, continue com aquelas ações durante o sprint que vem.

O pulo desse gato é sempre selecionar para o seu sprint um número pequeno de tarefas. Menor do que você acha que consegue dar conta. Ó que essa parte é realmente importante, hein.

Não vá selecionar dez, vinte ou trinta tarefas para os próximos cinco dias. Escolha poucas tarefas, pequenas e bem claras, e faça delas as suas rainhas. A lógica é que você nunca dê um passo maior do que a perna.

Se todos os estágios receberem a mesma quantidade de atenção, você vai consegui trabalhar com a mesma fluidez e tranquilidade de um rio cristalino em dia de verão: adicionando mais tarefas para serem feitas conforme você progride.

A principal vantagem do Scrum, pra mim, é ficar totalmente livre de planejamento por pelo menos cinco ou sete dias. Afinal, você começou a semana já sabendo o que ia precisar fazer!

É claro que nunca vai existir um sistema de tarefas que impeça imprevistos de acontecerem.  Mas a decisão primordial de facilitar a vida continua sendo sua. Você quer perder tempo, energia, se estressar e se cansar desnecessariamente?

Ou você quer ter tempo livre, tranquilidade, controle e produtividade?

 

Para destralhar e arrumar a casa

Tem coisa melhor do que começar o ano fazendo uma revisão total dos seus objetos e destralhando tudo o que não serve mais? Bom, com certeza existem algumas coisas melhores do que isso. Mas essa está lá no top 10.

Os benefícios de fazer uma super limpeza na casa (ou pelo menos no seu quarto) são imensos, principalmente no início de um novo ano.

Para começar, o seu ambiente externo é totalmente capaz de influenciar o seu estado mental. Quanto mais você estiver cercado por objetos bagunçados, sujos, quebrados ou mal arrumados mais a sua mente começa a incorporar esses mesmos padrões.

Além disso, decidir o que você quer por perto e o que não te serve mais é super terapêutico. A gente sempre tem ou dois hábitos (pessoas ou situações) que não nos fazem bem, né? Treinar o olhar crítico, a aceitação e o desapego primeiro com os objetos facilita muito esse processo.

O exercício é o seguinte: tire pelo menos um dia para se dedicar totalmente ao destralhamento e à arrumação do seu quarto ou da sua casa. Se não der para fazer tudo em um dia só, tudo bem. É só para te dar o gostinho e te entusiasmar para continuar fazendo isso depois.

Esvazie todos os móveis daquele cômodo, um por um. Armários, gavetas, potinhos, prateleiras, cantos esquecidos com poeiras milenares: tudo. Absolutamente tudo.

Faça isso com um móvel de cada vez, é claro, pra você não se sufocar com os seus próprios objetos. É realmente importante remover as coisas do lugar em que elas estavam. Todo elas! Seja uma peça de roupa, um livro ou uma caneta; todas as coisas precisam se movimentar.

Quem leu o primeiro livro da Marie Kondo já percebeu que eu estou dando uma sugestão totalmente baseada na teoria dela, né? Vocês não sabem como essa prática é poderosa, gente.

Quando estiver olhando para os seus objetos, responda às seguintes perguntas: eu usei isso no último ano? Isso me faz sentir bem, tranquila ou alegre? Eu já tenho algum outro objeto igual à esse?

Saber se certo objeto te traz alegria ou não é a pedra filosofal de toda a teoria da Marie Kondo. Ela diz que a gente não deve manter os objetos que nos trazem emoções ruins ou neutras – e nisso eu concordo plenamente com ela.

Seria incrível viver em uma casa onde cada um dos objetos, por menor que fosse, tivesse um grande significado e me fizesse sentir super bem. Mas nem sempre a gente pode viver assim, né?

Por isso você também precisa avaliar se os seus objetos estão repetidos e se eles foram usados no último ano. Essas perguntas vão fornecer um quadro geral mais realista e prático do que você precisa manter e do que precisa ir para o lixo.

Se você tem sete saias parecidas e não usou três delas faz um ano, para quê guardar todas? Por outro lado, você pode ter vários livros que já foram lidos há muito tempo, mas todos e cada um deles te faz muito feliz e traz memórias queridas. Nesse caso não faria sentido nenhum se livrar de todos “só porque sim”.

O mais importante de lembrar é que você sempre vai guardar objetos que estão simplesmente ocupando espaço. A gente consegue ser muito distraído com a quantidade de coisas que permitimos que vivam conosco.

Nem sempre racionamos, nem sempre percebemos o quanto aquela quantidade de objetos dificulta e atrasa a nossa vida.

Se a gente presta tanta atenção nos lugares onde passamos o nosso tempo, nas pessoas com quem dividimos a vida e nos hábitos que praticamos diariamente, porque não nos conscientizar também dos objetos que estão na nossa casa?

 

Para melhorar a qualidade do sono

Dormir é tão absolutamente essencial para a nossa produtividade e bom humor que ganhou uma seção só para ele.

Por mais que você seja uma daquelas pessoas que (como eu) deita a cabeça no travesseiro, dorme quase que imediatamente e não acorda mesmo que uma sinfonia toque bem no seu ouvido, você precisa ler essas dicas com atenção.

Aprendi bastante sobre a importância de uma boa noite de sono nos últimos meses. Eu nunca tive problemas para dormir, mas demorei anos e anos para perceber como alguns dos meus hábitos automatizados eram super maliciosos.

Mas vamos por partes.

Antes de mais nada, ressalto que esses conselhos são genéricos e se aplicam a todas as pessoas. Mas se você tem insônia ou algum outro tipo de condição, procure um médico bem confiável e vá atrás das indicações específicas para o seu caso, ok?

Para garantir uma boa noite de sono e, principalmente, uma excelente amanhã de trabalho, você precisa prestar bastante atenção ao seu quarto. Quanto mais livre de distrações ele for, melhor.

Nada de dormir com o celular do lado. O melhor mesmo seria deixar ele em outro lugar, bem longe de você. Se puder tirar a televisão e o computador do quarto, melhor ainda!

Agora vamos falar dos três pilares essenciais para uma boa noite de sono: deitar 15 minutos antes da hora de dormir, desligar todos os aparelhos eletrônicos pelo menos uma hora antes de deitar e fazer uma transição do trabalho para o descanso pelo menos uma hora antes de deitar também.

Ter o hábito de fazer uma transição da agitação do dia de trabalho para a tranquilidade de uma boa noite de sono é absolutamente essencial. Essa foi uma das mudanças de hábitos mais significativas que eu fiz esse ano.

Eu costumava trabalhar até tarde. Lutava contra o cansaço e ficava que nem criança, me recusando a dormir.

O efeito colateral disso era uma manhã bem ruinzinha. A minha energia e vontade de produzir eram drenadas; por mais horas que eu ficasse na cama, eu acordava como se nem tivesse dormido direito.

Uma das coisas que mais modificaram essa tendência foi o ato de criar uma rotina de transição.

Lá pelas dez horas eu desligo o meu computador e paro de fazer qualquer coisa relacionada à trabalho. Fico mais de uma hora alternando entre atividades calmas e recreativas: converso com pessoas, leio um livro, medito, tomo um banho ou escrevo no meu diário.

Não faço exatamente as mesmas coisas todos os dias, mas todas elas servem para limpar a minha mente do ritmo ativo do trabalho. Simplesmente deitar e dormir não é suficiente para fazer essa transição.

Em seguida, estabeleça quanto tempo antes de dormir você vai desligar os seus aparelhos eletrônicos. O ideal é que seja pelo menos uma hora. Mas se isso for impossível para você, até quinze ou vinte minutos servem.

Se encher de estímulos logo antes de dormir é algo que vai afetar o seu sono com toda a certeza do universo. Filmes, redes sociais, email, absolutamente qualquer coisa que exija muita atividade do seu cérebro não deveria ser feita logo antes de deitar.

A minha janela de transição entre o trabalho e o sono é a minha deixa para também largar de lado o computador e o celular. Isso ajuda bastante a criar aquela energia tranquila e calma tão gostosa de ter quando vamos dormir.

Por fim, lembre-se de deitar na cama um pouco antes da hora que você realmente gostaria de estar dormindo. O ser humano demora, em média, 14 minutos para pegar no sono.

Quer uma dica de um site incrível? O site Hora de Dormir vai te ajudar a fazer exatamente isso: descobrir qual é a melhor hora para você dormir. Ele funciona de duas formas. Você pode dizer que horas você precisa acordar e o site diz que horas você deveria estar dormindo para acordar feliz e contente.

Ou você diz a hora em que vai dormir e ele te fala qual é o horário perfeito para acordar. Essa foi a segunda grande mudança que fez MUITO pela minha produtividade esse ano.

O ser humano dorme em ciclos de 90 minutos e a cada uma hora e meia a gente faz uma ronda completa do sono: passa pelo estágio superficial, chega no sono REM profundo e começa tudo de novo.

Sabe quando você acorda se sentindo um lixo? Pode ser que você tenha acordado bem no meio de um desses ciclos. O corpo continua mole e grogue, com vontade de continuar dormindo. É como tentar levantar um navio encalhado do fundo do mar.

Mas acordar se sentindo totalmente tranquila, desperta, com energia e consciência é uma das melhores sensações do planeta. Sério, use esse site e programe a sua hora de dormir de acordo com essa lógica e depois me diga se fez diferença para você.

Quer saber da onde eu tirei todas essas dicas? Veja esse teste do Dr. Michael Breus (apelidado carinhosamente por mim de Dr. Soninho), um dos médicos mais reconhecidos no mundo inteiro por ser especialista na ciência do sono.

Essa aula incrível do Brian Johnson sobre Sono 101 (disponível na íntegra só para quem assina o seu programa mensal) também é uma das melhores aulas que já vi na vida sobre o tema.

 

Ou seja

Pode parecer que não, mas todos os dias nós temos oportunidade de dar uma super (ou uma mini) virada de página e acertar o nosso rumo mais um pouquinho.

Vamos incorporar essas pequenas e grandes mudanças sempre que possível, combinado? Nada de ficar esperando pelo ano que vem.

Vamos melhorar a nossa vida toda vez que começar um novo mês e uma nova semana. Ó quantas oportunidades de ter uma vida melhor a gente tem!


📍 CURTIU? AQUI TEM + IDEIAS BACANAS PARECIDAS, Ó: