Como cumprir as suas metas do ano que vem agora & renovar as suas energias

O meio do ano costuma ser uma época complicada.

A gente deixou a folia do carnaval pra trás, os meses mais populares e festivos passaram, não existem muitos feriados para dar uma trégua na semana e (geralmente) faz um frio do caramba. A gente não tem realmente muito o que esperar do combo maio-junho-julho-agosto.

A promessa de um novo começo junto com a excelente desculpa para comer e beber à vontade ainda estão lá no fim do horizonte, esperando dezembro e novembro chegarem. E a infeliz realidade é que a maioria de nós fica só contando tempo: esperando passarem os meses e as semanas menos badaladas e deixando a vida correr no automático.

Não sei se você já deduziu pelo título, mas esse texto aqui é para te dar uma boa injeção de ânimo e, com sorte, reverter essa situação.

Porque, não sei se você também já reparou, a gente costuma ter uma relação meio injusta e abusiva com as nossas metas e resoluções do ano novo: a gente geralmente só vai atrás delas quando a gente está pra baixo. É como aquele ex rolo que você curte demais e chama sempre quando está sozinho, mas não tem os culhões necessários para assumir.

Mas ó, fica frio. Eu não julgo quem faz isso.

O universo bem sabe que eu também já fui culpada desse crime e, no fundo no fundo, acho que todo mundo já se acostumou a esperar que as grandes coisas (aquelas incríveis que vão impulsionar a sua vida) aconteçam só no início do ano. Mas a verdade continua sendo que a gente não tem garantia de nada.

E por mais doloroso que seja reparar nisso (quando algum parente morre, quando algum desastre nos acomete, quando somos alvos de injustiças), é a pura verdade. Se a gente ficar sentado, esperando o dia em que vai acordar cheio de energia, iluminado, de repente transbordando de recursos e de ideias inteligentíssimas para os problemas, é bem capaz que a gente nunca saia mesmo do lugar.

E por mais difícil que seja ser pró-ativo e ir atrás do que você quer, a única pessoa que pode dar esse primeiro passo é você. 💥

 
tumb do blog rosa 1.png
 

Tempo é dinheiro?

Eu sei que essa frase é super capitalista e soa aproveitadora e mesquinha demais, mas vamos parar e pensar nela por um segundo.

Qual foi a última vez que você deu uma nota de dez ou de vinte reais para qualquer pessoa que estava passando na rua? Qual foi a última vez que você jogou as suas notas de dois e de cinco reais na mão de quem estivesse perto de você?

Seja pelo motivo que for, a verdade é que a gente não desperdiça dinheiro tão facilmente assim. Por mais mão aberta que você seja, é bem provável que os seus pais tenham te ensinado que dinheiro é algo valioso e que você precisa dele.

O seu instinto é guardar o máximo dele pra você mesmo.

Pense agora nos minutos preciosos que você simplesmente joga no lixo fazendo coisas que, um dia depois, você nem lembra que fez. Pense nos hábitos viciosos e ruins que você ainda mantém, sabe-se lá porquê. Será que você está realmente sendo cuidadoso com o seu tempo?

Se você fosse tão mão de vaca com os seus minutos quanto você é com as suas notas de cinquenta reais, o que seria diferente na sua vida hoje em dia?

Pra mim, essa frase não é sobre o quanto de dinheiro nós poderíamos fazer se tivéssemos mais tempo. Ela diz, simplesmente, que o tempo é uma energia super valiosa – tanto quanto o dinheiro, senão mais – e que a gente precisa ter sagacidade e esperteza na hora de abrir mão dele.

Digo isso só para te lembrar que não existe um momento certo para que você comece a colocar a sua vida em ordem. Não existe apenas uma única janela de tempo ideal para começar um novo ciclo ou ir atrás das suas metas de vida. Existem, é claro, condições menos ou mais favoráveis para começar cada projeto específico – mas isso aí é com você.

A cada dia, a cada hora e a cada semana que passam você vai ficando cada vez mais pobre de tempo. A sua única oportunidade garantida de dar um novo tom para a sua vida e se movimentar para ir atrás do que você quer é agora.

 

O que você conquistou até agora?

Essa é a primeira pergunta para que você vire uma nova página hoje mesmo e comece já o seu caminho delicioso rumo às suas metas de vida. Ela é ainda mais incrível de ser feita no meio do ano – naqueles semanas super comuns, repetitivas e quando tudo parece estar dando errado.

É mais difícil avaliar para onde você quer ir se você não souber o quanto já caminhou.

Aproveite e venha fazer o exercício da roda da vida. Ele é super simples, mas poderoso à beça. Depois desse exercício você vai conseguir dar uma olhada bem fria e prática em todos os pequenos pedaços da sua vida e vai ter tido tempo para pensar no que diabos você fazer nos próximos meses.

O que foi que aconteceu com você até agora, neste ano? Quais foram os grandes momentos (bons e ruins) que marcaram esses primeiros meses? Quais coisas você conquistou? Quais surpresas apareceram na frente da sua porta? Quais condições andam influenciando um bocado a sua vida profissional e a sua vida pessoal?

Pense nisso um pouquinho e anote as suas respostas, se puder.

Quando a gente quantifica e analisa as coisas de um jeito prático e analítico a gente consegue prever caminhos e criar soluções com muito mais facilidade. 👌

Se fazer essa análise por você mesmo for difícil, peça para algum amigo íntimo e próximo resumir para você como foi o início do seu ano até agora – como se ele estivesse te contando a história de outra pessoa, sabe como? Um ponto de vista extra ajuda muitíssimo, às vezes.

Sugiro que você faça essa análise na forma de um mapa mental: simplesmente colocando no meio de uma folha de papel em branco o seu nome e o ano atual e, à volta, puxando setas para descrever as coisas que te aconteceram até agora.

 

Que tipo de pessoa você quer ser ano que vem?

Taí uma excelente pergunta.

Ela vai fundo na ferida e, pelo menos para mim, ela ajudou muitíssimo a entender melhor todos aqueles exercícios de visualização e de imaginação do futuro que os livros de desenvolvimento pessoal viviam pedindo.

E o melhor de tudo é pensa na pessoa que você quer ser ano que vem e começar a colocar isso em prática agora. A ideia de pensar sobre “o ano que vem” serve para que você se livre das amarras e das condições nas quais você está inserido hoje.

Por mais que você não possa conquistar e fazer toda e qualquer coisa do mundo, você tem um bom catálogo de opções. Ir lá frente no futuro e pensar no que a gente faria, se pudesse, costuma ser libertador.

É assim que se consegue realmente avaliar e descobrir os nossos desejos e ambições mais profundas – aquelas que, se nós pensássemos apenas no contexto da semana ou do mês atual, continuariam adormecidas lá no fundo da cabeça.

O meu jeito favorito de entender e de descobrir exatamente o tipo de pessoa eu quero ser no futuro é escrevendo uma carta para mim mesma. Pegue uma folha de papel, coloque a data e o seu lindo nome lá em cima e se dirija para você mesmo daqui a um ano. Ou dois ou três, o que quer que funcione melhor para você.

Quais medos e inseguranças você gostaria de ter deixado para trás até o final do ano que vem? Qual é a sua pedra no sapato número um – aquela coisa que mais anda atrasando e influenciando negativamente a sua vida – que você adoraria ter conseguido matar até o fim do ano que vem?

E quais qualidades, recursos ou hábitos você precisa conquistar para ser o tipo de pessoa que não tem mais esse medo ou essa segurança específica? Qual é a principal área da sua vida que, se fosse melhorada e renovada, faria a maior diferença positiva no seu cotidiano? A área da saúde? A vida profissional? Os relacionamentos afetivos?

Daqui a um ano você se imagina sendo que tipo de pessoa, exatamente?

Quais hábitos você quer praticar todos os dias? Qual tipo de remuneração você quer ter? Com o que você deseja trabalhar? Você quer ser o tipo de pessoa que tem uma vida social ativa e é cheia de contatos e de pessoas conhecidas ou prefere ser uma pessoa mais tranquila e na dela?

Que tipo de alimentação você gostaria de ter até o final do que vem? Quais são os progressos pessoais que você quer fazer – aqueles que são única e exclusivamente seus e de mais ninguém? De que forma você quer melhorar a sua auto estima?

Você quer ser o tipo de pessoa que tem dinheiro na poupança ou que não tem mais nenhuma dívida? Quais passatempos e diversões semanais você gostaria de ter? O que significaria para o seu eu do futuro uma semana divertida, produtiva e relaxada?

Pegue essa chuva de perguntas, pense nelas por um tempo e anote as suas respostas na forma de uma carta – despretensiosa, escrita com as suas próprias palavras e totalmente vulnerável e honesta.

Aposto que você vai conhecer bem mais sobre você mesmo nesse processo.

 

Escolha as suas metas para esse ano

A terceira parte deste guia sobre “como fazer acontecer logo esse ano os seus sonhos futuros” é a fase mais crucial de todas e sem ela tudo vai por água abaixo, então preste bem atenção.

Depois que você revisar a sua carta para você mesmo e identificar as suas grandes metas, escolha pelo menos três ou quatro delas para se concentrar pelos próximos meses. Esse detalhe – que de detalhe não tem nada – é super importante.

O pulo do gato é que, à essa altura do campeonato, você já está bem equipado para colocar em prática os seus sonhos e desejos. Eu quero que você consiga fazer acontecer todas as coisas da sua lista sem precisar esperar pela promessa vaga e ilusória do início do ano.

Mas isso só vai acontecer se você conseguir se decidir.

Adianta muito pouco sonhar com o futuro e rechear a sua mente com lindas ideias e terminar ficando com a bunda na cadeira sem fazer nada à respeito. É absolutamente necessário que você consiga escolher as suas principais prioridades (sejam grandes ou pequenas metas) e se concentrar nelas com todo o seu coração.

De tudo o que você escreveu e que você gostaria muitíssimo que fosse verdade na sua vida até o final do ano que vem, qual é item é o mais importante? Qual dessas coisas mais faria diferença na sua vida se ela fosse realidade ainda esse ano?

Quais dessas iniciativas mais podem beneficiar você e a sua família? Qual é a parte da sua vida atual que você já não aguenta mais?

Escolha, no máximo dos máximos, quatro grandes metas ou projetos para se dedicar e escreva eles em um lugar visível. Bem visível mesmo, onde você vai bater os olhos todos os dias sem nem fazer muito esforço.

Pense nessas metas como as coisas mais sagradas e mais importantes da sua vida: é para elas que você vai dar o máximo do seu tempo, da sua atenção, do seu dinheiro e da sua inteligência. Essas são as coisas que você vai conseguir conquistar antes do final desse ano.

E não se engane: as suas metas para os próximos meses não precisam ser extensas e grandiosas. Elas podem ser coisas pequenas ou médias, não importa. Se você quer muitíssimo comprar um animal de estimação e isso vai fazer uma super mudança positiva no seu dia-a-dia, ótimo!

Se você quer terminar uma amizade tóxica, partir em busca de um novo emprego, mudar o visual e cortar o cabelo ou simplesmente ler um novo livro, tudo bem também. As suas metas não são da conta de mais ninguém e nenhuma Patrulha Oficial das Metas vai confiscar a sua lista se ela não for grande ou ousada o suficiente.

Tenha orgulho dos seus objetivos e vista eles com confiança.

 

Renove as suas energias diariamente

Que nem todo mundo consegue ficar cem por cento feliz e satisfeito com a vida a gente sabe. Que ter uma lista de tarefas longuíssima e passar o dia inteiro trabalhando não é sinônimo de uma vida feliz a gente também sabe. E porque, ainda assim, a gente age às vezes como se não soubesse?

Coloquei aqui esse último adendo só para te lembrar que você não vai acordar no pique de ir atrás das suas metas todos os dias. E quando isso acontecer, fique tranquilo: eu te dou permissão para ficar o dia inteiro na cama, se precisar.

Porque se você também for o tipo de pessoa que coloca muitíssima pressão em cima de você mesmo ou fica super revoltado e chateado quando as coisas não vão como você quer e odeia, mais do que tudo, a sua própria reação perante esses imprevistos, aí sim é que você precisa se lembrar disso.

Nem tudo na vida é correr atrás dos seus sonhos e nem sempre você vai estar com disposição para fazer sacrifícios, ter ideias inovadoras e gastar o seu tempo ou o seu esforço com as suas próprias metas.

Às vezes a gente simplesmente fica triste, às vezes a gente só quer socar um travesseiro e sair correndo. Abraçar, aceitar e viver esses momentos é tão absolutamente fundamental quanto todo o resto, acredite.

E nesse assunto eu tenho uma opinião bem clara: aceite os dias ruins, aproveite e faça o melhor possível dos dias bons. Parar com a rotina corrida, olhar para fora da janela e simplesmente passar um tempo na cama respirando também é super produtivo.

Ver um filme bem ruim, pedir um cafuné para alguém que você ama e jogar tempo fora sentado do lado de fora da casa são coisas que fazem um carinho dentro da gente – e perder essas oportunidades e esses momentos só para conseguir “cumprir uma meta” nem sempre é o que a gente precisa.

Tenha inteligência para discernir uma coisa da outra e, ao mesmo tempo, saiba colocar no seu prato exatamente os nutrientes que você precisa para se manter forte, saudável e disposto. Afinal de contas, é uma via de mão de mão dupla.

Se, por um lado, você precisa aceitar que você é um ser humano e não um robô, por outro lado você também é a única pessoa responsável pela sua vida. Os seus dias são como uma nova tela em branco cheíssima de oportunidades – e o que você escolhe fazer e colocar dentro deles depende só de você.

Faça uma lista de atividades gratuitas que te fazem sentir mais calmo, relaxado e contente: ir à praia, caminhar num parque perto da sua casa, passear na livraria, ler um livro ou ouvir música sozinho. Liste também as pessoas, sites de internet, programas de televisão, livros e filmes que te fazem se sentir energizado, com tesão pela vida e com sangue nos olhos.

O que é que te inspira a partir pra ação?

Saiba que coisas são essas e coloque elas dentro da sua rotina de propósito. Nada disso vai te impedir de ter dias ruins, mas pelo menos você vai estar já dando um passo à frente dos sentimentos que te deixam para baixo.

Quais são as pessoas que costumam drenar a sua energia? Qual é aquela coisa que você sempre faz e que, depois, nem se lembra de ter feito? Qual é o tipo de pensamento que sempre fica circulando na sua cabeça, viciosamente, e sempre deixa um rastro de dúvidas e de lamentações atrás de si?

Fazer uma lista das coisas que você quer cortar da sua vida é tão necessário para que você continue saudável quanto pensar nas coisas que você quer adicionar. A comparação com a sua alimentação continua: adianta muito pouco pensar em todas as saladas que você vai comer todos os dias se você também continuar comendo pizza três vezes por semana.

Adicione as coisas boas e corte as coisas ruins no seu próprio ritmo e não se pressione para fazer uma mudança brusca e incrível do dia para a noite. Comece com passinhos de bebê e, por agora, tenha apenas consciência de que coisas são essas.

Nós nos transformamos na pessoa que queremos ser um dia de cada vez, um mínimo ato diferente do anterior de cada vez. Sem pressa e sem sofrimento.

 

Concluindo

Esse texto todo foi feito por causa da sugestão de uma leitora organizada lindíssima e que disse estar precisando de inspiração & de dicas práticas para ter um bom segundo semestre, com mais realizações e força do que o primeiro.

E quem não está?

Conversando com ela eu li uma das frases mais verdadeiras e lindas que já vi até hoje: ela disse que percebeu “o sentido que a vida precisava ter mesmo com a morte limitando o nosso tempo aqui na terra."

E as ideias desse texto são as minha forma de acender um fogo debaixo da sua bunda para que você nunca se esqueça do quanto a vida pode ser incrível. As adversidades sempre vão existir e os nossos corpos vão terminar debaixo da terra sim.

A gente não sai dessa vida sem marcas e sem feridas.

Mas quer saber? Você ainda está vivo. E enquanto você tiver um novo dia e uma nova oportunidade pela frente, são muitas as coisas incríveis que estão aí para serem feitas.

Não desista delas.


🛵 CURTIU? AQUI TEM + IDEIAS BACANAS PARECIDAS, Ó: