Como definir e cumprir as suas metas de uma vez por todas

Pedindo sugestões de assuntos que os leitores organizados gostariam de ver no blog, recebi ano passado essa ideia super pertinente da Amanda. E tem época melhor para falar de metas e de objetivos de vida do que no início do ano?
Óbvio que não.

 
 

Afinal, a gente sempre lembra desses assuntos quando começa um novo ano: eles estão na crista da onda, super populares. Mas os meses vão passando, outros assuntos muito mais interessantes e menos trabalhosos vão surgindo e as pessoas vão deixando isso tudo para lá.

Talvez eu precisasse de um outro post para dissecar e raciocinar sobre os motivos dessa sazonalidade. Por que que os nossos objetivos e metas anuais tem uma vida assim tão curta? É difícil demais colocar eles em prática? A gente nem sabe o que quer, pra início de conversa? Temos uma crença oculta que vai cair tudo do céu, num passe de mágica? Esses motivos e outros, todos juntos e misturados, provavelmente.

Seja qual for a sua situação, hoje é dia de colocar os pingos nos is.

Já deu de viver todos os anos da mesma forma, né? Se você repetir os mesmos comportamentos e atitudes pra sempre, vai viver a vida inteira exatamente do mesmo jeito, sem nunca sair do lugar.

Olhar para o futuro, imaginar o que a gente gostaria que existisse nele e fazer agora (no momento presente!) as coisas necessárias para chegar lá são os pré-requisitos para participar desse jogo.

Vamos entrar nos detalhes práticos e eficazes de como descobrir quais são as suas metas, como se aproximar delas, escrevê-las de forma clara e intencional e quais são as coisas mais importantes para fazer elas acontecerem de verdade.


Ei,

não vale pensar nisso agora e fingir que não leu esse texto semana que vem. Tá avisado.


 
 

Defina a sua meta

Vamos do início: você sabe realmente o que quer da vida? A pergunta parece boba, mas acredite em mim quando digo que ela é absolutamente essencial para que todo o resto funcione.

Muitas pessoas não alcançam as suas metas pelo simples fato de não saberem aonde querem chegar (quem também fazia parte desse clube levanta a mão!). Você precisa de uma lista (tão grande ou pequena quanto for necessário para te satisfazer e te tranquilizar) das suas principais metas.

Essas perguntas vão te ajudar:

  • O que eu quero que exista na minha vida até o final do ano? Quais objetos, experiências e conquistas profissionais e pessoais eu quero ter conquistado antes que 2017 acabe?
  • Que tipo de pessoa eu gostaria de ser em dezembro de 2017? No mundo ideal, quais hábitos, compromissos, passatempos e iniciativas eu teria conquistado até o final desse ano?
  • Quais são as áreas da vida que mais foram negligenciadas ano passado? Quais partes da minha existência estão capengando hoje em dia?
  • Quais áreas da vida floresceram e deram bons resultados ano passado? Quais vitórias eu quero expandir ou solidificar esse ano?
  • Para estar onde eu quero estar daqui a dez anos, o que eu preciso começar a fazer agora? Quais projetos eu posso começar a colocar em prática hoje que vão me ajudar a ter o futuro que eu quero?

Não são perguntas absurdamente inovadoras, mas as respostas que você vai encontrar para elas vão fazer toda a diferença para o seu planejamento.

Reserve algumas horas de um dia para ir para o cantinho do pensamento, fique em paz e reflita sobre que respostas você daria a essas perguntas. Fale em voz alta, divida esse processo com algum amigo ou escreva um caderno todas as ideias que vierem à sua cabeça.

Afinal, saber aonde você quer chegar é absolutamente essencial para conseguir chegar lá.

 

Descubra a sua verdadeira motivação

Eu vivo batendo nessa tecla porque ela é importante para caramba. E quando digo "sua verdadeira motivação", não digo de um jeito raso e superficial, não.

Quando falo isso quero dizer literalmente “o motivo que te faz agir em direção àquela meta”. O que vai fazer você realmente seguir o seu planejamento?

Qual imagem mental vai vir na cabeça quando você estiver tentando se motivar a fazer alguma tarefa ou hábito chatinho, porém necessário? Qual realidade vai te dar ânimo e fogo interno para adotar todas as práticas e fazer todas as tarefas necessárias para que aquela meta se realize?

Não importa que imagem mental é essa. Não importa se ela é obsessiva, impopular ou vergonhosa demais para ser dita em voz alta. Ela é sua e de mais ninguém.

E adivinha quem é que vai lutar para fazer aquele objetivo acontecer? Exatamente: você! A sua razão íntima para querer alcançar as suas metas não precisa ser justificada e nem esclarecida para mais ninguém.

O único requisito é que ela funcione de verdade para você.

Procure pelas coisas que realmente te movem, te acendem e te fazer desejar partir para ação. As nossas motivações geralmente são baseadas em duas coisas: sanar alguma dor, sofrimento ou limitação ou alcançar um novo patamar de prazeres, facilidades e luxos.

Se pergunte: o que eu vou ganhar se essa meta se realizar? Qual problema ou dificuldade vai desaparecer ou ser bastante amenizado se eu conquistar isso?

Comece daí e não pare até encontrar a sua razão verdadeira para ir atrás das suas metas. É isso que vai te dar forças na hora em que as coisas ficarem difíceis.

 

Escreva a sua meta de forma clara

As suas metas anuais devem ser: divertidas de escrever e de registrar e mais claras do que a água mais cristalina que você já viu na vida.

Você precisa fazer tudo o que for possível para que você se sinta estimulado a parar, sentar e planejar os seus objetivos anuais. Se isso não for um problema pra você, ótimo! Pode pular esses parágrafos.

Mas sei de cadeira que algumas pessoas subestimam ou simplesmente não se importam com esses “detalhes bobos”: qual caderno eu uso? Qual planner eu compro? Em qual aplicativo eu registro essas ideias?

Não estou dizendo que usar um material divertido vai garantir que você alcance as suas metas, mas isso com certeza vai adicionar uma camada generosa de alegria e diversão.


 
Ser específico e manter o seu processo sempre prazeroso são passos valiosíssimos para alcançar as suas metas.
 

E quanto mais alegre, engajado, divertido e prazeroso for qualquer coisa nessa vida, mais a gente quer fazer aquilo. Criar rituais gostosos de fazer com materiais e ferramentas que combinem com a nossa personalidade pode ser o principal motivo pelo qual algumas pessoas não abandonam os seus planejamentos de vez.

Você já ouviu falar do método bullet journal? Provavelmente sim.

Ele é uma das formas mais em alta hoje em dia para registrar ideias e organizar a vida. Se você é do time do papel & caneta e está procurando por inspirações, recomendo que conheça esse canal do Youtube e que veja esse conjunto de fotos do Pinterest. Tem bastante coisa boa por lá.

A segunda coisa que você quer garantir é que todas as suas metas sejam claras, específicas e detalhadas. Pensa assim: sabe quando você deixa um bilhete ou escreve um email para outra pessoa dizendo alguma tarefa que ela precisa fazer?

A gente costuma ser bem direto ao ponto e específico sobre o que queremos que ela faça, né? Tentamos evitar que as ordens sejam ambíguas, confusas ou que dêem margem para interpretações erradas.

Leve esse conjunto de atitudes para quando você fizer o seu próprio planejamento e imagine que você está escrevendo os objetivos que outra pessoa precisa alcançar.

Ou seja: transparência e personalização máximas!

“Eu quero ter uma vida mais saudável em 2017” não vai te render tanto sucesso quanto “eu quero diminuir o meu consumo de carne, laticínio e/ou carboidrato para 1 vez na semana”, “eu quero caminhar na rua por trinta minutos três vezes por semana” ou “eu quero comer salada todos os dias no almoço”. 

As suas aspirações podem ser vagas, mas não é assim que a vida acontece na prática.

 

Quebre em blocos menores

Vamos usar agora todo o seu potencial logístico e pragmático para fazer um caminho de migalhas de pão de onde você está agora até a sua meta.

Escreva a sua meta anual em uma frase clara e específica em uma folha em branco, bem no topo da página, e comece a fazer uma lista de tudo que é necessário existir para que aquilo aconteça.

Em outras palavras: de quais pequenas metas essa grande meta é composta?

Se a sua meta for “correr por trinta minutos três vezes na semana”, podemos dizer que ela é composta de várias tarefas: “comprar um tênis adequado para correr”, “deixar a minha roupa de exercícios separada no dia anterior” ou “correr por cinco minutos quando chegar do trabalho”, por exemplo.

Essa dica é especialmente fundamental se a sua meta for algo grande e desafiador como “perder 40 quilos”, “deixar de fumar” ou “me mudar de apartamento”.

Até os maiores e mais ousados objetivos podem ser quebrados em partes minúsculas e facilmente digeríveis. Para realizar a sua meta com sucesso você precisa torná-la tão adorável e miúda quanto um filhotinho de cachorro.

Não adianta nada se colocar um desafio que vai te assustar, te fazer duvidar de você mesmo e te relembrar o quão distante você está dos seus sonhos, né? Jogue a seu favor e escreva quais são os pequenos passos que você precisa dar para chegar lá são, salvo e vitorioso.

Se o seu objetivo é trocar de apartamento, as suas pequenas metas poderiam ser: “juntar 20% do meu salário mensal para colocar na poupança”, “olhar os anúncios dos classificados online todos os dias depois do jantar”, “mandar uma mensagem para os meus 20 amigos mais próximos e perguntar se eles sabem de algum apartamento para alugar nos bairros X, Y ou Z” e assim por diante.

Não arrisque perder toda a sua motivação porque você quis dar um passo maior do que a sua perna. A sua grande meta, no fim das contas, vai se resumir a uma série de passos minúsculos que você deu de forma consistente ao longo do ano.

Escolha uma mini meta ou uma tarefa tão absurdamente ridícula que você não tem com deixar de fazer. Como disse nesse texto aqui sobre hábitos, você não consegue correr uma maratona de 5 quilômetros do dia pra noite, mas você consegue correr por pelo menos 3 minutos todos os dias, né?

Comece do baixo e você com certeza chega lá.

 

Ponha na agenda

A Marie Forleo compartilhou nesse vídeo aí embaixo uma frase genial: se não está programado, não vai acontecer.

 
 

É uma verdade dura de encarar, mas o seu cérebro não é sobre-humano. Você é uma pessoa cheia de boas intenções, mas provavelmente não gosta de fazer coisas que estão muito fora da sua zona de conforto.

E se você não pedir ajuda a ferramentas e estímulos externos, provavelmente nunca vai alcançar todas as coisas lindas que você sempre quis.

Depois de quebrar o grande objetivo em partes menores, responda essa pergunta: o que eu posso colocar em prática hoje para atingir essa meta? Qual é a próxima ação específica, simples e prática que eu posso tomar para avançar um passo em direção à ela?

Faça uma lista com pelo menos cinco próximas ações claras e específicas, faça uma delas hoje e coloque as outras no seu sistema de tarefas. Se você seguiu a dica acima, as primeiras tarefas nas quais você vai pensar devem ser pequenas e rápidas o suficiente para fazer logo hoje.

Para as outras você vai precisar de uma agenda ou de uma estrutura confiável de gerenciamento de tarefas. Pode ser um bullet journal, algumas listas em um aplicativo, uma nota no celular ou um planner semanal de papel. Se você quer ideias sobre como montar o seu sistema de projetos e de tarefas, recomendo que leia esse texto aqui sobre como fazer isso usando o GTD. Para planners mensais, diários e semanais gratuitos dê uma olhada nesse quadro do Pinterest, lá tem uma cambada.

O mais importante é você fazer um compromisso com o seu eu do futuro ainda hoje. Se você simplesmente imaginar quais seriam as próximas tarefas e não fizer nada à respeito, o que te faz pensar que você vai cumprir tudo isso depois?

A gente esquece, se distrai, se deixa levar pelas urgências “importantes de verdade” e acaba esquecendo as metas que são importantes para nós. Se você quer cumprir tal tarefa no futuro, precisa deixar essa ação já armada em algum lugar onde você vá olhar com toda a certeza. Não pode exigir muito esforço (tipo “ah, quando eu lembrar de tirar esse caderno do fundo do armário e dar uma olhada nele eu vejo as minhas próximas tarefas”) e seria bom se fosse uma ferramenta que você se sente confortável usando.

Se depender de achar os post-its perdidos na bolsa ou os rabiscos em papéis aleatórios jogados pela casa, as suas metas provavelmente nunca vão ser cumpridas.

 

Meça o seu progresso

Outra frase maravilhosa, essa dita por Tim Ferris: se algo pode ser medido, pode ser administrável. Dito de outro jeito: como que você vai saber se está indo na direção certa se os componentes do seu projeto não são mensuráveis?

Você precisa ter algum jeito de, ao longo do caminho, saber se está progredindo. É uma melhoria pequena, mas que pode ajudar muito no sucesso geral – inclusive para aumentar a sua autoestima e te dar mais confiança.

Se a sua meta for perder peso, crie pequenos marcos comemorativos: perder 5 quilos, perder 10 quilos, perder 15 quilos. De cinco em cinco quilos você vai chegar lá. Ver que você está no caminho planejado e que já já vai conquistar o seu objetivo dá um ânimo em qualquer um.

Além do mais, como você vai administrar uma meta que não dá para ser medida? Isso reforça ainda mais a dica de sempre escrever as suas metas da forma mais clara e direta ao ponto possível. Inclua na sua meta a unidade de medida, tempo, duração, frequência, dias da semana, seja lá o que for.

Isso torna a análise do progresso muito mais fácil.

Outra dica de ouro, nenhum pouco surpreendente mas altamente efetiva: leia e reveja o planejamento das suas metas pelo menos todas as semanas. De preferência todos os dias, dependendo da seriedade e da importância que aquela meta tem para você.

Quando você relembra a si mesmo quais são as suas prioridades, maiores são as chances de você não sair da linha e de não perder tempo com atividades desimportantes que não te levam à lugar algum.

Quanto mais você reforça as suas motivações, quanto mais visualiza todos aqueles louros maravilhosos que você vai colher daqui a alguns meses, mais você repete os hábitos que vão garantir o seu sucesso.

Ponha na sua agenda ou faça uma checklist de hábitos que você quer fazer todos os dias e inclua ali “revisar as minhas metas mensais e anuais”. O seu cérebro vai se acostumar com aquele caminho neuronal e vai reconhecer cada vez mais facilmente oportunidades reais de fazer aquele objetivo acontecer.

E ah, se mime um pouco.

Veja o seu progresso constantemente e se dê um presentinho quando você atingir os pequenos marcos que você escolheu. Compre alguma coisa nova, tire um dia de folga, comemore com os amigos. Afinal de contas, você suou um bocado.

Você merece se presentear!

 

Compartilhe com outras pessoas

Para fechar com chave de ouro, que tal anunciar a sua meta publicamente? Poste no Facebook, no Instagram ou faça um blog para contar a sua história e ir comentando conforme você progride.

Saber que outras pessoas estão te observando talvez te paralise, mas se essa possibilidade te enche de adrenalina, eu digo: vá em frente.

Quem sabe assumir em voz alta a sua meta não era justamente o que outra pessoa precisava para tomar coragem? Quem sabe você não faz um ou dois novos amigos?

Ter apoio e ter um par de ouvidos para reclamar quando as coisas não dão certo ajuda muitíssimo. Isso dá forças para seguir em frente, ser criativo e procurar por novas soluções para os problemas. A gente é mais forte quando estamos juntos, não tenha dúvida disso.

E tu: como vai fazer para definir as suas metas? Me conta nos comentários como que você lida com os seus objetivos anuais. Pode desabafar, pode pedir opinião!


♻️ CURTIU? AQUI TEM + IDEIAS BACANAS PARECIDAS, Ó: