Da intenção para a prática: o percurso para conquistar as suas metas do ano

Reta final, quarenta e um dias para virar a esquina e encarar 2019 e, como sempre acontece, a gente sente uma onda & uma chuva intensa de vontades, ambições e novas ideias surgirem. Nesses anos de atendimentos e papo com as pessoas, confirmei algo óbvio: a gente sempre parte de uma intenção abstrata, inicialmente, e precisamos manter o foco e decisão para tirar os nossos planos do papel de verdade.

Materializar ideias e plasmar desejos se reduz à isso, essencialmente: decidir, apostar e agir.

Reunindo as respostas dos leitores da newsletter para uma das provocações que eu joguei no ar, há algumas semanas, percebi que muitas pessoas ainda confundem intenções com direções. Esse é o nosso natural, até certo ponto. Bate uma vontade, uma inspiração, a gente vê o exemplo de alguém foda levando um estilo de vida que a gente muito deseja e fantasiamos como seria a nossa vida se X acontecesse. Esse é o início do caminho, realmente. Mas começar a caminhar, você sabe, não é o mesmo que chegar ao destino final. Esse texto, inovadoramente curto e direto para os padrões da escritora desse blog, vai te levar num nano percurso de 3 exercícios para você ter mais chances de materializar as suas metas do ano que vem.

Ou até mesmo as desse ano, quem sabe?

Muita coisa pode acontecer em 41 dias. :)

 
 
 aproveita pra salvar essa imagem aí no Pinterest para se lembrar dessas ideias legais depois. <3

aproveita pra salvar essa imagem aí no Pinterest para se lembrar dessas ideias legais depois. <3

 
 

Tenha consciência das suas intenções

A parte boa dessa festa começa com a nossa imaginação à mil – e, nesse estágio, eu recomendo soltar a franga o máximo possível. O primeiro passo desse percurso é, frequentemente, o melhor de todos: sonhar, captar algumas referências e sentir aí dentro qual é a nova realidade que você quer trazer para a sua vida.

Algumas perguntas que podem te ajudar a fazer essa reflexão, anota aí.

Quais são as oportunidades, sutis ou bem grandiosas, que andam batendo na minha porta nas últimas semanas? Quais ideias sorrateiras passaram pela minha cabeça nos últimos dias – e eu, sem atenção, deixei escapar? Qual é aquela Grande Ideia Impossível que, por mais que eu finja não querer, sempre vem me cutucar no meio da noite? Qual foi a última pessoa com quem eu conversei que tinha uma prática, um hábito ou um estilo de vida muito parecido com o que eu realmente gostaria de ter? E como essa pessoa vive esse estilo de vida na prática? Se eu precisasse escolher uma única área de foco para desenvolver na minha vida, ano que vem, qual seria? Qual área de foco, se florescida e cultivada, mais vai trazer benefícios, alegrias e boas mudanças para a minha vida como um todo? Qual arrependimento, frustração ou nó emocional eu não quero carregar para o ano que vem? E o que eu posso fazer sobre isso agora, esse ano?

A minha maior recomendação para esse passo é criar um ritual gostoso, autêntico e interno para você pensar, refletir e se banhar nas suas vontades abstratas. Logo no início você pode, por exemplo, pensar que você adoraria se sentir mais energizada, mais disposta e com um corpo mais resistente. Essa é uma meta de saúde, à princípio, e seria algo muito bom de se ter. Você ainda não sabe como esse sentimento abstrato vai acontecer e se materializar na sua vida agora, nesse exato ponto do tempo e do espaço. Não ainda.

Já já você se preocupa com isso. Por enquanto a gente está no terreno do imaginar e desejar.

Separe uma tarde ou uma manhã, tranquila e energizada, para criar o seu próprio ritual da cocriação.

Outra ideia muito boa para fertilizar as suas vontades é entrar no Pinterest, criar uma pasta chamada “2019” ou “a minha vida em 2019” e salvar várias imagens que, por mais cruas que sejam, contenham alguma coisa (uma cor, uma ação, um sentimento) que você quer muito viver e ter no próximo ano.

Coloque uma música que combine com as ideias dessa pasta e fique por algumas horas nessa piscina de energia. Isso vai, desde já, te alinhar com as suas intenções e facilitar os próximos passos, te garanto.

 

Pese as suas alternativas

Para continuar esse caminho e trazer as suas intenções abstratas para a prática, é hora de você chamar a sua Mente Racional para brincar e te ajudar a agrupar, categorizar e dar uma limpada nas suas vontades criativas. Olhe para as respostas que você deu para as perguntas anteriores, entre na sua pasta do Pinterest e comece a agrupar as intenções que são parecidas e a dar um formato mais palpável para elas.

Se você escreveu vinte intenções, perceba: quais dessas ideias são irmãs? Coisas parecidas e similares que poderiam ser agrupadas em uma coisa só? Quais intenções são as mais ardentes em você agora, hoje?

Escreva cada uma dessas intenções no centro de uma folha de papel e comece a fazer um mapeamento.

Você pode escrever várias coisas no centro dessa folha. No terreno das intenções, não existe certo e errado. Existe apenas o que te move, o que te anima e as palavras que você encontra para expressar isso. “Ser uma pessoa mais sofisticada” é uma intenção. “Me sentir bem no meu próprio corpo” é outra.

Eis alguns exemplos, mais ou menos abstratos, para te inspirarem no segundo passo desse percurso: fazer uma transição de carreira, escrever um livro, passar mais tempo com os meus filhos, solucionar o problema Y, criar uma reserva financeira, diversificar a minha cartela de atividades profissionais, viajar mais, cultivar hobbies que me façam bem, cuidar da minha saúde mental diariamente, fortalecer os laços com os amigos.

Os exemplos são mil e eles são tão diversos quanto as pessoas que os criam.

Escreva cada intenção no centro de uma folha diferente.

Você pode escrever quantas quiser, mas, como boa perfeccionista, eu sempre reforço que direção supera velocidade. Não caia na tentação de compensar por todos os anos de metas falhadas em uma única sentada.

Isso vai te machucar mais do que te beneficiar, acredite em mim. Agora, puxando setinhas para as laterais e bordas da folha, escreva algumas opções de tarefas, projetos ou mudanças que você pode fazer para plasmar essa intenção na sua vida. Se você escreveu “cuidar da minha saúde mental”, por exemplo, se concentre nessa ideia por alguns minutos e faça uma chuva de formas de fazer isso acontecer na prática.

Por enquanto você não está se comprometendo com nenhuma delas.

Você está apenas pesando as suas opções.

Pense na frase do centro da sua folha como o destino onde você quer chegar e nas opções de projetos e de tarefas das bordas da folha como as estradas e meios de transporte específicos que você vai escolher para chegar até lá. Se o centro da sua folha fosse um lugar geográfico, ele poderia ser a Bahia, por exemplo.

Os projetos, então, seriam as rotas que você tomaria para chegar até lá. As formas de chegar em um mesmo lugar diferem muito de pessoa para pessoa, de momento de vida para momento de vida, de caso para caso.

Escreva várias opções de projetos, se conecte bem com o que você realmente quer (e não com as formas convencionais da sociedade de fazer aquela determinada coisa), pense na sua disponibilidade prática (tempo, dinheiro, energia, recursos e ajuda) e faça essa chuva de ideias para todas as suas intenções.

 

Qual é o resultado desejado?

Intenções postas para fora e caminhos possíveis mapeados, agora falta só a cereja do seu bolo: a decisão prática, firme e material de qual é o resultado desejado que você quer ter na sua vida. Agora é a hora de voltar para o seu mapa mental, olhar para a frase que você escreveu no centro e escrevê-la novamente.

Dessa vez com um verbo claro de ação e mais detalhes específicos sobre a sua vontade.

Para pegar um dos exemplos lá de cima, suponhamos que você escreveu “passar mais tempo com os meus filhos”. Intenção excelente, nobre e muito louvável. Mas e agora? Quando isso acontecer na sua semana, ou no seu dia, como é que vai ser exatamente? Qual é a imagem que te vem à mente quando você pensa nisso? De que forma essa intenção vai existir, no duro mesmo, no seu dia-a-dia? Você quer dedicar uma hora da sua manhã para brincar com a sua filha? Ou trinta minutos todas as noites lendo histórias para o seu filho?

Você vai reservar um período do fim de semana (manhã, tarde ou noite) para fazer um passeio especial, gostoso e criativo com os seus filhos? Ou vai começar um projeto artesanal com eles logo essa semana?

Os projetos e tarefas que você escreveu nas bordas da folha, compondo o seu mapa mental, podem te ajudar a decidir e a entender qual é a sua disponibilidade exata para fazer aquela ideia vir à vida. Talvez você trabalhe aos fins de semana e não possa passar toda a manhã de sábado com os seus filhos. Beleza.

O que você pode fazer, então? Qual caminho você está disponível para trilhar?

Pense nessa pergunta e responda ela no papel, se pá até no verso da folha onde você começou a fazer o seu mapa mental: o que eu quero que aconteça na minha vida, de modo prático e visível, quando essa intenção se cumprir? De todas as opções possíveis, para qual delas eu tenho mais recursos e mais disponibilidade?

Reescreva a sua intenção, colocando essa nova frase no meio de outra folha.

A antiga vontade abstrata de “viajar mais” se transformou, agora, em “fazer uma viagem curta todo mês”. Ou, se você conseguir, escreva algo mais específico ainda: “viajar por um fim de semana inteiro todo mês”.

O nível de clareza não é tão importante quanto o fato de você ter alcançado o seu próximo nível de clareza, saca? “Fortalecer os laços com os amigos” pode se transformar em várias coisas: “chamar um amigo para almoçar toda sexta-feira” ou “aceitar um convite diferente dos meus amigos pelo menos uma vez por mês”.

Pode ser “chamar um amigo para fazer um Skype toda semana” ou até “visitar fulano e ciclano no prédio onde eles trabalham toda segunda-feira”. Uma vez tendo feito isso, olhe para os projetos e para as tarefas que você escreveu no primeiro rascunho do seu mapa mental e edite e corte os que não fazem mais sentido.

Agora que a sua direção está mais clara (e o resultado prático e visível que você quer ter na sua vida está esclarecido, consciente e definido), nem todas as opções de caminho são mais tão viáveis, desejáveis ou boas assim. Quais projetos e tarefas específicas vão fazer esse novo resultado específico acontecer?

Dependendo da clareza da sua meta, duas tarefas básicas podem já fazer aquilo se realizar. Quem manda nessa festa é você, afinal de contas. A única exigência é fazer com que os seus projetos e tarefas (os passos práticos, miúdos e específicos) sejam tão claros quanto o seu resultado desejado. Assim, começando segunda de manhã, você vai olhar para as tarefas do seu mapa final e saber exatamente o que precisa fazer.

 

E AGORA ME CONTA

O que cê tá maquinando pro ano que vem? Já sabe alguma intenção ou meta específica que você vai plasmar na sua vida? Comente aí embaixo e coloque um tijolinho nesse prédio de bons exemplos! :)


 

PRA CONTINUAR APRENDENDO, COLA NUM DESSES TEXTOS AI Ó. SÓ TEM IDEIA BOA: