O poder da pequena ação: três ideias para priorizar bem o seu dia

A minha proposta para o blog do Eu Organizado esse ano é trazer uma variedade maior de textos, vamos começar a história por aí. A pesquisa de opinião que eu fiz no final do ano passado me ajudou demais a conhecer melhor vocês, leitores lindos regulares ou pontuais que passam por aqui, e me fez ver que eu precisava abrir um cadinho mais o leque dos assuntos e das abordagens que eu trago pra cá.

Mais da metade dos leitores disseram, naquela pesquisa, que se consideravam intermediários iniciantes quando o assunto é organização pessoal e planejamento de vida. Ou seja: essas são as pessoas que não se consomem pelo fluxo adoidado da vida e que conseguem, minimamente, planejar a sua semana ou o seu dia de modo que eles não fujam totalmente do controle. Ótimo! Eu amo escrever e dar ideias mais elaboradas e refinadas para as pessoas que já tem um mínimo de organização pra vida.

O próximo grupo que mais se fez ouvir foram as pessoas que disseram serem organizar só minimamente. Aquele básico-básico que te dá um pezinho para ficar com a cabeça acima da água e nada mais. E o terceiro grupo mais cheio foi o das pessoas que disseram estar nadando no caos 24 por 7. O tempo todo se debatendo e tentando sair do pântano da desorganização, mas sem muito sucesso. Esse texto é para dar uma pequena luz e um estímulo gentil para esses últimos dois grupos, meu povo.

pinterest.png

Eu vou falar hoje sobre três exercícios bem práticos que podem ser feitos todos os dias ou uma vez por semana e que já vão fazer uma enoooooorme diferença na sua organização. Esse deveria ser o meu sobrenome, aliás: Como As Pequenas Ações Importam Para Cacete No Fim Das Contas. Eu acredito muito nisso. Nem sempre ajo de acordo, é claro (porque como bom ser humano cheio de defeitos eu também deixo de seguir os meus melhores conselhos, às vezes), mas mantenho sempre na cabeça aquela ideia que você não precisa de muito para evoluir, sabe?

Você precisa, na verdade, de bem pouco.

Uma pouca quantidade de ação e de planejamento bem canalizados e bem decididos, eliminando tantas distrações quanto te for possível. A lógica por trás desse posicionamento não é a de escassez, muitíssimo pelo contrário. É a lógica da abundância e do empoderamento que animam essa filosofia. Até porque, essa é uma dificuldade minha: complicar demais as coisas, ter muito medo de fazer algo errado e acabar ficando paralisada.

Sentir uma angústia existencial por não saber exatamente o que eu vou estar fazendo daqui a 5 anos e terminar não fazendo porra nenhuma. Esse é um grande perigo que eu quero muito ajudar vocês a evitarem. E o melhor antídoto para a paralisia ainda é a ação. Nada disso quer dizer que você deveria apenas se concentrar no que você vai fazer amanhã ou na semana que vem e ponto final – longe disso. A gente pode (e vai) falar mais sobre planejamento a médio e longo prazo em outros textos ao longo do ano, mas eu sinto que a Pedra Filosofal de toda essa construção ainda é o seu planejamento diário.

E o quão bem você instalou em você o hábito de se concentrar nas pequenas próximas ações.

Isso é o que vai te manter ativo e evitar que o trem da organização se descarrilhe, saca?

Aquele pouquinho que você faz todos os dias religiosamente, sem fraquejar. E para ajudar essa causa e animar mais a festa da organização (principalmente para quem ainda acha que tudo isso é difícil, custoso e chato), eu pedi a ajuda da lindíssima Ana Cantarini, dona criativa que conduz o site Annima e que produz vídeos semanais lá no seu canto do Youtube. A Ana cria cada projeto de cair o queixo, gente.

No vídeo aí de baixo ela ensina a fazer a ferramenta exata que eu vou usar de exemplo nesse texto: um quadro lindíssimo com vários quadradinhos coloridos. A ideia é que você faça o seu próprio Quadro de Prioridades Universal, como resolvi apelida-lo. Cê pendura ele no seu quarto ou escritório e une essas duas áreas da vida: a decoração e o planejamento diário. Eu vou dar três ideias de como vocês podem usar esse quadro, na prática, e aí cês dão um pulo lá no canal da Ana pra aprender a fazer, combinado? :)


 

Escreva os seus hábitos mais importantes

Começando pelo Bicho Papão que assusta quase todo mundo: os hábitos. A questão de instalar hábitos na sua rotina, de um jeito seguro e firme, já foi abordada com mais detalhes nesse texto aqui ó. Dê um pulo lá pra ver caso essa seja a área que você está precisando desenvolver agora. Existem muitos aspectos e nuances que fortalecem o nosso compromisso com os nossos hábitos, na verdade.

A começar, por exemplo, com a sua motivação.

Porque você quer começar a fazer essa coisa específica? Da onde surgiu essa necessidade? E, a pergunta mais importante de todas: qual é o benefício prático que você vai sentir na pele quando começar a praticar essa atividade todos os dias ou todas as semanas? Ter uma imagem e uma sensação, bem material e prática mesmo, do que aquele novo hábito vai te trazer sempre ajuda muito.

Acoplar o seu novo-futuro-hábito à uma outra atividade que você faça sempre, sem pensar, tipo escovar os dentes antes de dormir ou almoçar todos os dias, também facilita bastante a vida. Começar a criar um sistema de ação e reação, onde você condiciona o seu novo hábito à uma outra tarefa totalmente automática e intuitiva, vai tirando aquele peso de precisar ficar se lembrando sempre dele.

Criar blocos de tempo específicos para cumprir esse hábito também pode ajudar – principalmente se a coisa é mais demorada e complexa. Preparar todas as quentinhas da semana no domingo de noite ou ir pra academia todos os dias no meio da tarde são dois exemplos clássicos. E se você não manja bem da ideia antiquíssima dos blocos de tempo, clique aqui e venha ler um texto bem legal sobre o assunto.

O mais importante de tudo, porém, é que você esteja sempre vendo os seus novos hábitos.

E para fazer isso esse Quadro de Prioridades Universal é uma mão na luva, cara.

Escreva em cada um dos quadradinhos coloridos um dos seus hábitos do dia ou da semana. Se você quiser criar um quadro tal qual o exemplo que a Ana deu, cê vai ter 9 espaços para preencher. E bem, é claro que você pode modificar esse projeto e criar o seu quadro do tamanho que você quiser, mas vou partir desse exemplo para ilustrar melhor. Se você tem 9 espaços em branco para escrever o seus hábitos, eu recomendo FORTEMENTE que você não preencha todas essas lacunas com hábitos novos, difíceis e que provoquem uma revolução total no seu estilo de vida. O motivo?

Porque isso é difícil demais de manter, baby. Simples assim.

Exemplos práticos da minha rotina, ó: meditar (isso é algo que eu tento fazer todos os dias e que me oferece um grau mediano de dificuldade), ler (algo que eu já faço muito naturalmente e quase não preciso fazer força para lembrar, eu quero só um estimulo extra diário mesmo), poupar dinheiro (que significa, para mim, não comprar nada supérfluo no cartão de crédito – é um hábito “negativo” que tenta desconstruir um padrão e que, por isso mesmo, é bem bom de ser mantido na sua frente o tempo todo) e evitar comer doces (um lembrete que eu posso trocar um pote de Nutella por uma fruta com pasta de amendoim; ou seja: algo que eu quero me forçar a fazer, mas que eu sei que é difícil por enquanto).

Vocês percebe como cada um desses hábitos tem um grau de dificuldade diferente?

Alguns deles, tipo o “evitar comer doces”, é um lembrete resumido do novo estilo de vida saudável que eu quero ter na minha alimentação. Ainda não é algo escrito em pedra que e que eu estou mergulhando de cabeça para fazer, ou oito ou oitenta. Longe disso. É só uma levantada de sobrancelha amiga (eu e as minhas metáforas) que me lembra, todos os dias, do compromisso que eu fiz comigo mesma.

Nem todos os meus hábitos ficam nesse quadro. Alguns deles estão no meu calendário mesmo, usando a técnica de blocos de tempo para me ajudar a concretizar certas ações com mais facilidade – tipo ir para academia todo o dia de noite. Eu escrevo e encaro isso como se fosse um compromisso (embora, na verdade, não seja) porque esse empurrão a mais sempre me ajuda bastante.

 

Liste as suas vitórias diárias

Quais são as nove tarefas mais importantes que você precisa fazer durante a semana? Importantes do tipo importantes-mesmo-para-valer, e não coisas que você pode delegar ou passar pra frente. As nossas tarefas importantes são aquelas insubstituíveis, geralmente ligadas ao trabalho, à família ou ao cuidado pessoal. Se o mundo pegar fogo e você não tiver tempo de salvar toda a sua lista de tarefas, quais são as 9 mais importantes e preciosas que você vai salvar? Por qual tarefa você lutaria?

Se você precisa aprender mais sobre como priorizar bem a sua semana, te recomendo que cê venha ler esse texto aqui. Ele fala da Matriz de Eisenhower, a melhor ferramenta do mundo para te colocar de volta nos eixos e te ajudar a decidir o que merece ocupar o seu tempo. Depois, recomendo que você abra mão da ideia de que você consegue dar conta de 24 novos projetos diferentes por semana.

Porque você não consegue. Ponto.

O que não significa que você não possa aprender a se organizar para conseguir, mas eu sou uma super fã de não tentar dar um passo maior do que a sua perna. Principalmente se você se auto classificaria como estando no grupo de pessoas super desorganizadas que estão nadando no caos. Quanto mais foco você tem na sua vida, mais fácil fica, depois, administrar frentes distintas de trabalhos. Mas a falta de prioridades claras sempre vai te machucar, de um jeito ou de outro. E o que eu estou recomendando que você faça, no fundo, é eliminar aquele desejo de abraçar o mundo com as pernas.

E se concentre apenas nas nove atividades mais básicas e essenciais da sua vida naquela semana.

Exemplos práticos que comporiam a minha lista: escrever o texto do blog da semana e escrever a newsletter da semana (duas atividades centrais que definem o meu trabalho), escrever os posts das redes sociais (tarefa que eu só faço de 15 em 15 dias porque deixo para escrever tudo num dia só, mas que entraria nessa lista semana sim semana não) e preparar a sessão de consultoria das minhas clientes (coisa que muda de semana a semana, dependendo de quantas clientes eu esteja atendendo; para cada nova sessão de consultoria eu escrevo uma tarefa correspondente). Esse exemplos são relacionados só ao trabalho porque essa é a área da vida que mais anda no meu foco ultimamente.

Mas, é claro, você vai compor essa lista de acordo com as suas prioridades.

O pulo do gato é você perceber, de uma vez por todas, que são poucas as tarefas realmente significativas do seu dia. São poucas as coisas criativas e complexas que só você pode fazer. As coisas que você realmente vai amar ter gastando tempo, no dia que você morrer, não são tarefas supérfluas, vaidosas ou vazias de significado. O que é que tem valor pra você hoje, afinal de contas? Hoje-agora, pra já mesmo. Quais são as atividades que mais te trazem vida e retorno – financeiro, emocional, mental ou físico? Proteja essas tarefas e coloque elas bem na sua frente todos os dias. Um dia você vai partir dessa pra melhor e vai desejar ter gastado o seu tempo com as coisas certas, cê sabe disso.

 

Anote as suas prioridades atuais

Esse é um exercício mais amplo e abstrato, mas que pode ser uma ótima porta de entrada para quem está começando a tomar as rédeas da sua própria vida. É coisa simples mesmo, bem boba de se fazer, mas que pode ir alimentando o seu inconsciente da maneira certa e no tempo certo. Funciona assim: pense em quais são as nove (ou seja lá qual for o número de quadradinhos coloridos no seu quadro) coisas, itens ou áreas da vida mais importantes pra você atualmente.

Ou, dito de outra forma: quais são as coisas que você quer prestigiar um pouquinho todos os dias?

Fazendo uma (outra) metáfora meio doida, pense que as suas prioridades são Deuses e que, todos os dias, você vai prestar alguma homenagem à eles. Que homenagens seriam essas? Você pode descrever isso com apenas poucas palavras, de um jeito amplo ou bem específicom tanto faz. O lance é colocar bem na sua frente (e pra isso esse quadro é absolutamente perfeito) quais são os pontos que você mais valoriza na sua vida agora. É a saúde, de forma geral? Ou a sua alimentação, de jeito mais específico?

É se movimentar todos os dias ou é fazer yoga todo dia de manhã?

Você pode escrever palavras como “tempo com os filhos” (ou marido, esposa, pais, cachorro, o que for) para se lembrar que você quer fazer força para abrir, todos os dias, um tempo específico e de qualidade para as pessoas que você ama. Eu poderia escrever, por exemplo, “curso presencial”, porque esse é um dos meus produtos que eu estou cuidando, cultivando e desenvolvendo com mais carinho hoje em dia. Outro exemplo prático da minha rotina seria, por exemplo, a expressão “exercícios físicos”. Eu posso até não ter batido ainda o martelo na coisa específica que eu vou fazer toda semana, ok. Mas o simples fato de eu olhar para essa prioridade todos os dias já me dá um senso maior de comprometimento, percebe?

Essa é uma pratica de priorização de vida mais do que de semana, mas uma coisa sempre ajuda a outra.

 

Concluindo

Qual é a sua maior dificuldade na hora de priorizar? Se você quiser pensar mais a fundo nesse tema, leia aqui esse texto sobre a roda da vida. Ele te ajuda a parar, respirar fundo e realmente decidir aonde você vai colocar mais a sua energia. Esse texto foi basicão, mas espero profundamente que ele esclareça algumas coisas e, óbvio, te ajude a perceber o poder imenso das pequenas ações diárias.

São elas que vão te levar aonde você quer, meu bem, um dia de cada vez.


 

E ó, aqui embaixo tem outras ideias que podem te abrir ainda mais os horizontes:

comentários? dúvidas? sugestões?