O que fazer quando o seu projeto está empacado: um guia prático & realista 

Sabe quando você pensa que uma pessoa organizada é aquele exemplo brilhante de racionalidade, pragmatismo e frieza? Essa geralmente é a ideia que vem à mente quando a gente pensa em alguém que consegue organizar bem a sua vida. Quem tem esse talento deve ser uma pessoa naturalmente contida, equilibrada e super super lógica, a gente pensa.

Só que não. 🙂

Essa fantasia não poderia estar mais longe e distante de como as coisas funcionam na vida real. Quando qualquer ser humano dá o primeiro passo para materializar os seus projetos e as suas metas, já era. Ele com certeza vai dar de cara na parede e tropeçar mil e uma vezes antes de chagar no seu objetivo. Na vida real nós somos levados pelos nossos desejos, medos e limitações muito mais do que seria legal admitir.

E o primeiro passo para você não ficar muito encanado com isso é aceitar.

De coração aberto mesmo, colocando em prática aquela deliciosa e linda ideia de “aceita que dói menos”. Hoje eu quero te mostrar, entre outras coisas, os seis motivos que geralmente nos fazem ficar empacados nos nossos projetos e desistir de correr atrás das nossas metas do ano. Como você vai ver já já, todos eles são total e cem por cento humanos – e eles afetam todo mundo.

Tipo, todo mundo mesmo.

Eles me afetam e eles com certeza vão afetar você também, em um momento ou outro. E aí é que está a chave da situação: quando você já sabe quais são esses motivos e aceita cem por cento o seu lado humano falível, inseguro e paranóico, tudo fica mais fácil. Aí sim você começa a se movimentar de verdade no caminho da organização e da produtividade.

 
 
 
 

Revisar é preciso

Viver não é preciso, mas revisar é sim. Bastante.

Antes de falar dos seis motivos que geralmente nos levam à procrastinar e a ficar empacados nas nossas metas e projetos de vida, deixa eu relembrar duas grandes e poderosíssimas ferramentas que você precisa ter: a revisão e a honestidade.

Pense nessas duas coisas como itens do seu cinto de utilidades.

Independente da forma ou do método que você usa para definir as suas prioridades, selecionar as metas do mês ou decidir quais são os projetos para os quais você vai dar atenção, revisar é um verbo que nunca pode faltar no seu vocabulário. Crie o hábito de olhar para as suas metas e projetos pelo menos uma vez na semana.

Isso vai te tomar muitíssimo pouco tempo e os benefícios vão ser monumentais, acredite em mim. Afinal de contas, quem disse que o que os olhos não vêem o coração não sente tinha, sim, um pouco de razão. Como é que você pode dizer que o projeto X ou que a meta Y é super importante para você e, ao mesmo tempo, não estar em contato constante com essas iniciativas?

Coerência, meu bem, coerência.

Revisar as suas metas e projetos regularmente é um dos hábitos que vai te fazer perceber qual desses seis grandes motivos está te impedindo de conseguir o que você quer. O outro hábito que vai dar uma força nisso é a honestidade – brutal, fria e cem por cento autêntica. Não adianta nada ler dez artigos sobre organização por semana, fazer cursos online e assistir vídeos super cults e bacanas no Youtube se você sequer consegue admitir certas verdades incômodas para você mesmo.

A gente precisa ser sincero. Especialmente com a gente mesmo.

E especialmente sobre os projetos pessoais. Eles são o cerne da sua existência e representam o seu livre arbítrio em toda a sua glória e esplendor. Gastar mais um dia mentindo para você mesmo e tapando o sol com a peneira vai te ajudar um total de zero por cento. E quanto mais rápido você enxergar a realidade do jeito que ela é, mais rápido você vai poder recalcular o seu rumo e voltar para o caminho da ação.

Muito bem.

Antes de continuar, pare e pense em quais são os seus projetos ou as suas metas que não estão andando. O que é que você queria muito fazer, mas terminou não fazendo? O que é que você planejou começar esse mês ou esse ano e acabou deixando totalmente de lado? Qual projeto ou objetivo você até começou a colocar em prática, mas depois ficou sem vontade de continuar tocando para frente?

Faça uma lista, pegue uma bebida gostosa e continue aqui comigo.

 

Quando as coisas mudam e a vida acontece

“Eu não estou progredindo porque estou focado em coisas mais urgente”: ou seja, a vida aconteceu. Simples assim. Alguma circunstância interna ou externa, parcialmente causada por você ou não, roubou toda a sua atenção e está exigindo uma boa parte dos seus recursos atualmente.

“Eu não estou progredindo porque isso não parece ser mais tão importante assim”: ou seja, alguma coisa mudou. O seu contexto atual pode ter mudado de alguma maneira sutil e, sem perceber, aquela sua grande vontade já está perdendo o fôlego e outras causas e projetos são mais importantes agora para você.

Se você escolheu uma dessas duas respostas, existem três perguntas que você pode responder para fazer o tira-teima e ver se o seu antigo projeto ainda vale à pena.

➊. As coisas que eu estou fazendo agora tem mais valor – são mais legais, mais emocionantes, me dão mais tesão ou vão me trazer recompensas melhores e maiores – do que o meu projeto ou a minha meta inicial? ➋. As coisas que eu estou fazendo agora são mais urgentes ou estão mais em voga do que a minha meta inicial? ➌. As coisas que eu estou fazendo agora são mais fácies e simples de serem feitas do que o que eu queria fazer inicialmente? Perguntas fortes que exigem respostas honestas.

Vamos começar pelo óbvio e dizer que sim, às vezes a vida simplesmente acontece.

Às vezes o seu umbigo pede para que você mude de direção e você nem sabe explicar racionalmente porque você desistiu daquele antigo projeto. Às vezes uma urgência ou uma surpresa da vida faz você precisar realocar o seu tempo e energia para outras coisas. Você vai saber reconhecer se esse é o seu caso ou não.

As três perguntas lá de cima vão te ajudar a sair de cima do muro caso você não saiba explicar porque você largou a sua antiga meta. Não aconteceu nada de muito extremo ou diferente na sua vida, você simplesmente foi deixando de lado aos poucos. Se esse é o caso você vai precisar, antes de tudo, esclarecer o motivo pelo o qual você se deixou levar por outras ideias e por outros projetos.

Foi porque foi mais fácil?

Porque os seus pais, filhos, professores ou colegas de trabalho estavam te enchendo o saco para começar a fazer X ou Y? Foi porque surgiu uma nova oportunidade, mais bonita e atrativa? Ou foi porque o seu antigo projeto te deixava com medo?

Foi porque você realmente mudou de interesse? As coisas que você está fazendo agora são bem mais legais do que a sua antiga meta? Elas estão te deixando mais saudável, mais rico, mais feliz, mais em paz ou com mais energia do que o seu antigo projeto te deixaria? Elas estão dando mais lucros?

Ou você largou o seu antigo projeto para não fazer porra nenhuma mesmo?

Se o que você está fazendo atualmente for mais valioso e estiver te dando mais benefícios – emocionais, mentais, financeiros, o que for – do que a sua antiga meta, talvez não tenha problema nenhum em deixar ela na gaveta por algum tempo. Mas se você abandonou algum projeto só porque sim – porque era mais conveniente e te daria menos trabalho –, investigue o que é que está por trás dessa decisão.

Tire a poeira do seu projeto, encare o que estava te dando medo ou te deixando inseguro em relação àquela ideia e bola pra frente meu bem! Se você não for atrás do que você realmente quer ver acontecer na sua vida, ninguém mais vai.

Você sabe disso.

 

Quando o perfeccionismo fala mais alto

“Eu não estou progredindo porque eu não consigo fazer isso”: ou seja, os seus padrões estão altos demais e você talvez não consiga pedir ajuda para ninguém. Esse motivo aqui é o calcanhar de Aquiles dos perfeccionistas de plantão.

Eu já falei um pouco sobre os perigos do perfeccionismo nesse texto aqui e, sinceramente, poderia falar muito mais. Porque se tem uma coisa que eu entendo é esse círculo vicioso que fica girando na nossa cabeça e colocando pressão para que você faça tudo sempre da melhor forma possível. E ó, vou te dizer: existem poucas coisas tão perniciosas e venenosas quanto esse círculo vicioso.

Quando você breca os seus projetos por medo de eles não saírem perfeitos você também está procrastinando. Empurrando com a barriga, levando nas coxas e deixando para que o futuro decida por você. Esse é um dos três grandes perfis de procrastinadores que existem e sobre isso você pode saber mais lendo esse texto aqui. Ele fala justamente das formas mais comuns de procrastinação e o que fazer em cada um dos três casos.

Se existe alguma coisa em você que te convenceu que você é bom demais para pedir ajuda, pare. Se alguma experiência de infância ou situação de vida te convenceu que você não pode nunca incomodar os outros e que o seu pedido de ajuda vai ser um fardo imenso nas costas das pessoas, pare. Essas coisas dentro de você estão erradas e elas não podem ser mais fortes ou falar mais alto do que a sua própria vontade.

Você nunca vai fazer nada perfeito.

E você nunca vai fazer tudo sozinho.

Você vai progredir do mesmo jeito que toda santa pessoa já progrediu nessa face da terra: aos poucos, em zigue-zague e contando com o apoio, a compreensão e a sorte de várias pessoas e de várias forças misteriosas do universo. Pense em qualquer ser humano que você admira – cantor, presidente, atleta, artista, membro de família, o que for. Agora repare que tudo o que essa pessoa conquistou até hoje só aconteceu por um único motivo: ela abriu mão do seu próprio orgulho. Ela foi aos pouquinhos. 🐜

Ela cometeu erros óbvios, pagou mico em público, ganhou uma fama ruim dentro do seu ambiente de trabalho e precisou pedir desculpas por algumas burradas que ela cometeu. Ela admitiu que não sabia fazer certas coisas e foi atrás de quem pudesse dar uma luz. Ela corrigiu o seu percurso várias vezes, treinou, treinou e treinou até não poder mais e se contentou em fazer aquilo que lhe era possível.

E se você fizer o mesmo, nem te conto até onde você pode chegar.

Ter persistência bate, ganha e deixa a sua vontade de ser perfeito no chão, tanto em termos de resultados práticos quanto de paz mental. Se você foi honesto com você mesmo e percebeu que você abandonou a sua meta só porque ele parecia difícil demais, veja se esse não é um caso agudo de perfeccionismo.

Se essa ideia realmente vale à pena, é melhor sacrificar o seu orgulho, colocar a mão na massa ou pedir ajuda do que deixar esse plano para sempre na gaveta.

 

Quando bate o cansaço e a desmotivação reina

“Eu não estou fazendo avanços suficientes”: ou seja, você está colocando muito trabalho, tempo e esforço nesse projeto e até agora não viu nenhum resultado prático. Você está avançando super lentamente e o seu desgaste com essa ideia não está compensando os lucros e os benefícios.

“Eu não estou progredindo porque perdi a motivação”: ou seja, você é humano. Pode ser que que você esteja exausto, querendo abraçar o mundo com as pernas, ou pode ser que você tenha simplesmente perdido aquele tesão inicial.

E, antes de tudo, não confunda “fazer pouco progresso” com “perfeccionismo”.

Esta resposta aqui é para quando rola de você estar correndo muito atrás de uma coisa que, ate agora, não deu nenhum resultado. Você está fazendo o que precisa ser feito, já admitiu para você mesmo que não vai conseguir fazer nada cem por cento perfeito e já colocou a mão na massa e ainda assim a coisa não está andando.

Você tenta persistir e tenta manter o ritmo, mas não está conseguindo ver os resultados que já deveriam estar dando as caras. Se esse é o caso, o seu problema está na organização. Essa situação é uma das coisas mais lógicas e práticas que existem – afinal de contas, como é que você pode estar dando tanta energia para uma coisa e não estar vendo nenhum benefício sair do outro lado da linha de produção?

Você provavelmente está fazendo alguma coisa errada, tecnicamente falando, ou está organizando e distribuindo mal a sua atenção. Tire algumas horas do seu dia, em um momento tranquilo e de cabeça fria, e veja qual é o seu plano para esse projeto ou para essa meta. Como é que você está colocando ele em prática? Quais são as estratégias e os princípios que estão guiando as suas ações?

Será que você está querendo tirar leite de pedra?

Algumas iniciativas demoram mais tempo para dar resultados mesmo, como fazer exercícios físicos ou meditar. Nem sempre a gente vê a mudança retumbante que a gente queria logo na primeira semana. E tudo bem, é assim mesmo. Mas às vezes a gente se ocupa com várias coisas desimportantes e esquece de dar atenção para o coração do projeto – aquela uma coisa que vai realmente te fazer seguir em frente.

Se pergunte qual é a única ação que, se você fizesse, já te levaria mais perto do seu objetivo. Uma só. Alguma pequena tarefa quantificável e que você poderia fazer já amanhã, se você quisesse. O que significa, para esse projeto, progredir? Quais são os marcos e os sinais que vão te mostrar que você está no caminho certo?

É perder uma certa quantidade de peso? Fechar um certo número de novos clientes para a sua empresa? Como você vai chegar nesses resultados? Quais são as ações que mais têm chance de converter o esforço bem empregado em resultado real e visível? Se faça essas perguntas antes de começar a se xingar ou a achar que você não faz nada certo. E, se for o caso, aprenda a esperar.

Mas se o seu calo for a desmotivação, a história é outra.

Existem um sem número de coisas que podem afetar a sua motivação e, sobre isso, te digo logo que é melhor você se acostumar com essa ideia. Ninguém está motivado com os seus projetos e com as suas metas o tempo todo – isso é literal e fisicamente impossível. Todos nós temos ciclos e passamos por diversos altos e baixos até chegar à conclusão final da coisa. Ainda assim, às vezes o buraco é mais embaixo.

Às vezes você está em um bloqueio criativo, em uma fossa emocional ou em uma inércia cinza e estranha que não te deixa seguir em frente com as coisas. Talvez uma terapeuta possa te ajudar melhor nisso, mas, no que me cabe, posso te dar algumas ideias que valem à pena testar. Comece dando uma olhada na sua rotina.

Você está dormindo bem? Você está se alimentando de um jeito minimamente saudável? E, mais importante de tudo, você está descasando? Quantos projetos importantes e absolutamente essenciais você está tocando ao mesmo tempo? Todos eles são mesmo tão importante assim, ou será que você concordou com algumas iniciativas e ideias só porque tinha alguém te pressionando para fazer isso?

Venha nesse texto aqui para descobrir qual é o seu relógio biológico, passo número um. Entenda como é que o seu organismo funciona, qual é a melhor hora para você dormir e acordar e teste a rotina sugerida pelo resultado desse teste por pelo menos uma semana. Depois venha nesse texto aqui para ter algumas ideias sobre como você pode otimizar mais a sua vida – e sim, isso inclui a sua alimentação e o seu descanso. 

Para entender melhor aonde você está agora – e reparar que, talvez, você esteja exausto demais de carregar tantos projetos altamente prioritários ao mesmo tempo – venha ler esse texto aqui e fazer o exercício da roda da vida. Ele vai te ajudar a ter uma noção clara do seu contexto atual e a traçar os próximos passos.

Você pode fazer qualquer coisa, mas você não pode fazer tudo ao mesmo tempo.

Cuidar do seu corpo físico, das suas emoções e da sua cabeça é tão importante – se não mais! – do que ser uma máquina de conquistas fabulosas. Se você acha que talvez tenha caído em uma rotina super chata, leia esse artigo aqui. Ele tem 23 ideias para deixar a sua rotina mais inspirada e mais criativa.

Coisas fáceis e baratas de fazer que vão dar um frescor gostoso na sua vida. 🌿

Estude essas possibilidades, cuide de você mesmo e faça o possível para refrescar as ideias. E aprenda a admitir que sim, às vezes você simplesmente perdeu a vontade de fazer aquilo. E daí? Não é o fim do mundo. Você sempre pode criar uma lista de projetos bacanas que você talvez queira começar a fazer um dia e deixar ali todas as coisas que não te apetecem muito agora.

 

Quando outras pessoas dificultam a vida

“Eu não progredindo porque tem alguém me impedindo”: ou seja, você já percebeu que o mundo não vai fazer sempre as suas vontades. Por mais que você seja uma pessoa incrível, talentosa e esforçada, nem todo mundo quer facilitar a sua vida.

Ninguém nem tem essa obrigação, na verdade.

Se você analisou, analisou e analisou e percebeu que os seus projetos realmente não estão indo para a frente por causa de outra pessoa, a minha dica é uma só: seja criativo. E muito cuidado antes de levantar o seu dedinho e jogar a sua culpa na cara de outra pessoa. Colocar na conta dos outros iniciativas e habilidades que só dependem de nós é um caminho rápido e fácil para a vitimização.

E como eu disse: ninguém é obrigado.

Você não faz ideia de como estão as coisas na vida dessa pessoa, número um. Você não sabe o que ela está enfrentando e quais são os desafios que a vida está colocando no prato dela, número dois. Podem ser coisas mais difíceis ou mais fáceis do que as que você está enfrentando, mas nada disso é realmente importante. Nem perca tempo maquinando e pensando porque é que esse ser humano não está levantando um dedo para te ajudar. Se concentre no seu.

Se uma pessoa está deliberadamente te fazendo mal e escrotizando a sua vida, parte para outra. As coisas já são difíceis o suficiente quando a gente não tem ninguém puxando e arrastando o nosso pé na lama. Mas se os seus projetos não estão progredindo porque fulano ou beltrano não estão dispostos a te ajudar, ou porque disseram “não” e colocaram várias burocracias em uma coisa que você queria que acontecesse mais rápido, não perca tempo pensando porque eles fizeram isso.

Use os seus recursos ao seu favor. Te garanto que você tem um monte deles.

De que jeito você pode depender menos dessa pessoa? Qual é a alternativa B, menos glamurosa, que taparia um lindo buraco por enquanto? De que outra forma, seguindo por um outro caminho, você poderia conquistar esse mesmo objetivo? Será que você precisa adaptar um pouco a sua meta para a realidade atual? Às vezes bastam algumas pequenas modificações inofensivas para que os nossos projetos possam conviver em paz com as outras pessoas, sem incomodar ninguém.

O lance é criar recursos.

“Não aceite não como resposta” é um conselho ótimo, de verdade - só não confunda isso com agressividade, malcriação e despeito. Quando você não aceita um “não” você vai atrás de quem pode te dizer “sim”. Você muda a sua tática, você se torna mais flexível, você observa as possibilidades diferentes de fazer essa mesma coisa e, no fim das contas, se torna uma pessoa 1% mais capaz, criativa e inteligente.

Você cria o seu próprio “sim”.

Você viabiliza as suas ideias com base nas suas forças, encarando as suas limitações e cultivando novas saídas. Você pensa fora da caixa e vai procurar por respostas nos lugares mais improváveis. Sabe-se lá do que você é capaz quando não está se preocupando tanto assim com as merdas que as outras pessoas podem fazer para dificultar a sua vida? Seja lá o que for, eu te encorajo a tratar de descobrir.

Quanto antes, melhor. 🌻

 

Concluindo

O melhor que você pode fazer para cumprir as suas metas do ano é olhar com clareza para onde você está agora e o que você já fez nos últimos meses. Tenha uma intenção clara, específica e sincera da onde você quer chegar e daí para frente, meu filho, só o tempo vai dizer.

Se acostume com os imprevistos, as intuições e as coisas bizarras que te acontecem e que você não consegue explicar. Mas saiba, ainda assim, que a única pessoa que pode e deve te levar ao seu destino final é você. A forma como você quer passar essa vida e as coisas que você quer fazer durante os próximos anos cabem apenas à você.

As chances de começar de novo, recuperar o fôlego e ir trás das suas metas só termina quando você morre. Todo o resto do tempo é lucro. A ideia para esse texto saiu desse artigo aqui do site Unstuck. Ele é lindo demais, cheíssimo de boas informações sobre motivação, autoconhecimento e organização.

Quem souber ler em inglês, vá fundo! Tem muita coisa boa lá.

E vem cá, me conta agora você: quais desses seis motivos andam te impedindo de progredir com os seus projetos? Você tem alguma meta que também acabou sendo deixada para trás? Libere os seus demônios e compartilhe a sua experiência aí embaixo, meu bem. Eu adoro demais poder conhecer melhor vocês! 💖


🛋 CURTIU? AQUI TEM + IDEIAS BACANAS PARECIDAS, Ó: