Os 7 elementos de uma vida organizada: lições de aniversário

Eu já escrevi um texto aqui no blog falando dos maiores erros de organização e de planejamento que eu cometi em 2016. O ano passado foi um período de trabalho intenso para mim e, inevitavelmente, vários murros em ponta de faca foram dados. Escrevi também, esse ano, um texto que trata dos 5 princípios para organizar a sua rotina de forma simples. E agora está na hora de colocar mais lenha nessa fogueira.

Encare este artigo como um novo capítulo para o seu Grande Manual da Organização – coisa que você talvez não tenha, mas que com certeza deveria criar.

Começando pelo óbvio, te digo que o seu Grande Manual nunca vai ser totalmente igual ao de mais ninguém. É justamente por isso que cada pessoa precisa criar o seu. Adaptar as regras, os princípios e as teorias universais à sua situação específica e dar o máximo de espaço possível às suas manias, preferências e gostos é o prêmio máximo de organização que qualquer um pode receber.

E esse texto vai te ajudar a fazer justamente isso.

Depois de pensar em qual seria a forma mais digna de comemorar o dia de hoje – ou melhor, o dia de amanhã –, aqui no blog, concluí que a melhor coisa que eu posso fazer é compartilhar o meu próprio Grande Manual da Organização com vocês. O mês de setembro é especial para mim porque, para quem não sabe, amanhã é o meu aniversário – também conhecido como um dos dias mais lindos de todo o ano. 😁

E o que foi que eu aprendi sobre organização nesses 27 anos de vida?

Ou, como diria um colega meu: o que foi que eu aprendi ao longo dessas vinte e sete voltas ao longo da quadra? Como se envelhecer e viver fossem uma grande maratona, e a cada ano que passa você faz mais uma volta no mesmo percurso. Passando por situações parecidas, descobrindo uma penca de coisas novas e ficando cada vez mais sagaz e experiente. Gostei bastante dessa metáfora porque ela ressalta que todo mundo pode contribuir com um nano pedaço de sabedoria.

Estes sete elementos não devem ser levados de forma nenhuma como regras categóricas acima do bem ou do mal. Eles foram apenas os frutos que brotaram diretamente da minha experiência de vida e que se provaram, vez após vez, super verdadeiros para mim. A única coisa que eu quero é que eles possam guiar & iluminar quem está no começo deste lindo caminho da organização pessoal.

Eu não conheço nenhuma trilha tão fantástica quanto essa. 💜

 
 

A organização é uma ferramenta, não um fim

Eu aprendi essa lição aí a duras penas, te dizer. Achei justo colocar ela aqui no início, logo de cara, para que você entenda o tom e ajuste todos os outros conselhos sobre organização que você ouvir na sua vida. Se organizar é uma forma de viver a vida.

Não é – e nunca vai ser – o seu destino final.

Não importa o método que você use, os aplicativos ou as ferramentas que você está curtindo usar agora e nem sequer importa muito se você está nadando na sopa do caos ou surfando na onda de conquistas incríveis: o ato de organizar não é a linha de chegada. O seu objetivo maior nessa vida é viver – e nada mais.

A sua lista de tarefas não te define.

Se você é uma pessoa super produtiva de noite e não consegue acordar cedo, por exemplo, tudo bem. Pode parecer que sim, mas não existe nenhuma competição mundial que analisa e classifica as pessoas para ver quem é a mais organizada de todas. Se você, assim como eu, também tem a tendência de ser obsessivo e preocupado demais, escuta a tia. A organização está aqui para te servir.

Não ao contrário.

Se organizar é um conjunto de esforços e de estruturas que vai te ajudar a conquistar os seus objetivos de vida. Como é que você gostaria de viver pelos próximos trinta ou quarenta anos? Qual tipo de legado você quer deixar para as duas ou três gerações futuras da sua família? De que forma você vai aproveitar a sua energia – essa centelha divina que, mais cedo ou mais tarde, vai se apagar?

Essas perguntas são muito importantes e a organização pessoal é uma forma de você levar essas respostas à cabo. Mas foco é sempre em você, guarde isso.

 

A organização é uma montanha-russa

Vamos aprender a cuidar da nossa saúde mental e emocional e acabar logo com essa idiotice de achar que nós precisamos ser perfeitos sempre? E que nós vamos ser exemplos impecáveis de organização o tempo todo? E que os nossos sistemas precisam estar sempre nos trinques, sem nenhum erro, redundância ou falha grave?

Então vamos.

Eu demorei muito para aceitar essa ideia pra valer.

O que é uma pena. Como toda verdade da vida, não importava o quanto eu fingisse que isso era mentira – continuava sendo verdade. E eu continuei me ferrando, por anos e anos, porque eu simplesmente não conseguia abraçar esse princípio.

Aceita que dói menos, esse é o meu novo mantra de vida. 👍

No que diz respeito à organização, outra grande verdade universal é que ela nunca vai estar sempre presente. Nada nessa vida é para sempre, você sabe disso. Um dia a gente morre. Em um dia a gente consegue fazer tudo do jeito que a gente queria, no outro não. E tudo bem. O mundo não vai acabar.

É para isso mesmo que a organização existe: para nivelar e recalibrar a sua vida. Você sempre tem a oportunidade de voltar para os eixos, de se reerguer e de continuar trabalhando para materializar as suas metas. Sempre. Não importa o tamanho da merda, essa opção está sempre lá. Mas para ser capaz de aproveitar essa possibilidade você precisa, antes de tudo, aceitar que às vezes você vai cair do cavalo.

Para que serviria a organização se a gente fosse sempre perfeito?

Parte da graça está no erro, no inusitado. Nos sentimentos escuros e inesperados que habitam o nosso coração. Nem todos os seus sonhos de vida vão ser atingidos através de um caminho florido e radiante. Às vezes vai ser um puta esforço.

É para isso também que a organização existe: para minimizar as perdas, suavizar as curvas muito fechadas que a vida dá e te oferecer um consolo quando você precisar juntar os caquinhos e começar a montar tudo de novo.

 

Planejar demais é fatal

Assim como molhar demais uma planta pode afogar toda a vida que existe nela, planejar demais os seus projetos pode aniquilar todas as possibilidades de eles virem à vida. Acredite em mim, eu sei bem disso.

Planejar, imaginar, criar caminhos, pesar hipóteses, medir resultados e desenhar opções diferentes não é nenhum pouco difícil pra mim. É como mudar de roupa ou escovar os dentes: já acontece no automático. E ao longo dos anos, quanto mais eu fazia isso, melhor eu ficava. Descobri técnicas, refinei o meu planejamento e adaptei tudo o que eu aprendi para a minha realidade. O meu planejamento era impecável.

Faltava fazer.

Se eu bato muito nessa tecla nos meus textos é só porque eu já estive nesse caminho – e luto até hoje para que essa tendência não me roube o foco. Planejar demais é mais danoso do que fazer demais, juro pra você. Quando você pensa no que você quer fazer mais do que faz, a coisa nunca anda. Nunca mesmo. Agir é o que move o mundo. Agir é o que te permite aprender, corrigir e, depois de muitos consertos, chegar ao resultado que você desejava.

Agir o tempo todo e nunca planejar nada também é ruim, é claro.

Mas se for para sacrificar uma delas, deixe o planejamento pular do penhasco. Você vai colher malefícios se você se dedicar a fazer apenas uma coisa ou a outra, mas o risco de não colocar a mão na massa é mil vezes pior.

 

Não planejar vai te deixar quebrado

Eu tenho exemplos vivos e próximos de pessoas que agem muito. Elas estão acostumadas a apagar incêndios e as suas ocupações profissionais exigem que elas tenham pensamento rápido. Elas precisam ter boas respostas sob pressão e quanto mais rápido elas conseguirem virar o jogo para uma solução favorável, melhor.

Eu conheço pessoas que acreditam que se organizar é uma perda de tempo.

E se esse é o seu problema, eu posso te ajudar. Para ver os serviços e as iniciativas que eu ofereço, clique aqui. Fique à vontade para pedir ajuda profissional se o ato de se planejar e de se organizar é muito difícil para você fazer sozinho. E acredite em mim: é bem mais fácil aprender a planejar do que aprender a agir. Pelo menos no que diz respeito à um acompanhamento externo, é claro que existem casos e casos.

Algumas pessoas tem condições mentais e quadros de saúde que afetam o seu foco, a sua atenção e a sua capacidade de planejamento. Mas esse não é o caso da maioria. E muito provavelmente não é o seu caso. A média das pessoas que não se sabem se planejar antes de agir podem virar esse jogo em dois tempos, com algumas técnicas e princípios bem firmes e personalizados. Ou seja: dá para aprender.

Agir demais e pensar de menos, se deixar levar pela corrente dos acontecimentos e nunca dar uma pausa para pensar no futuro vai te deixar quebrado – com menos dinheiro, com menos saúde e com menos tempo. Os benefícios de uma gaveta arrumada, de um armário sem tralha ou de um sistema básico de organização que funciona bem para você são imensuráveis.

Planejar significa otimizar os seus recursos.

De que forma você pode melhorar – em 1% – a forma como você aproveita o seu tempo? De que jeito a organização pode aumentar ou intensificar a sua paz mental, o seu conforto material ou a qualidade das suas relações? Ficar obcecado em ser produtivo não é a resposta certa, mas um pouco de planejamento usado ao seu favor é o melhor investimento de vida que você pode fazer.

Aproveite o seu livre arbítrio com inteligência, meu bem. Um dia ele acaba.

 

Decidir é o que vai te levar pra frente

Se agir é importante, decidir é fundamental. Uma coisa precede a outra, é claro, e não vai ser surpresa para ninguém quando eu disser que esse sempre foi um grande desafio meu. Por isso adicionei esse item aqui – se o seu problema também é esse, tá na hora de tomar tenência.

Ficar em cima do muro é uma forma de procrastinar, como você pode ler nesse texto aqui. Ele fala sobre as 3 formas de procrastinação que existem e uma delas é essa: não conseguir ou não querer se comprometer com nenhuma das suas opções e ficar que nem uma bolinha de pinball quicando dum lado pro outro.

E nunca finalizar os seus projetos.

E nunca cultivar a sua auto estima e o seu senso de realização. Decidir é fundamental para que você consiga agir. De acordo com um planejamento, de acordo com as suas circunstâncias atuais e de acordo com uma certa lógica, é claro. Mas a raiz de tudo começa no momento em que você escolhe um lado.

Que tipo de pessoa você quer ser ano que vem?

Essa é uma pergunta que me ajuda a decidir quais vão ser os meus projetos atuais. Como eu também sou uma pessoa meio obsessiva com detalhes, pensar demais no futuro sempre me paralisou – parecia ser o antídoto ideal, mas terminava sendo um lindo tiro no pé. E daí surgiu a pergunta: como tomar decisões sobre o presente sem cair na armadilha de ficar paralisada por medo do futuro?

Existe alguns recursos que me ajudaram bastante.

Um deles foi essa palestra aqui sobre como fazer escolhas difíceis. Ela enquadra esse assunto da melhor forma que eu já vi na vida e apresenta uma solução prática e eficaz. Outra coisa que me ajudou demais foi conhecer essas três perguntas para criar metas de vida. Recomendo muito para quem também sofre com indecisão aguda.

E por fim, o exercício da roda da vida.

Esse exercício divino e maravilhoso que te faz olhar para o único momento da sua vida sobre o qual você tem algum controle: o presente. Qual é a parte da sua vida que mais merece atenção hoje em dia? Qual aspecto da sua existência você quer melhorar nos próximos meses? Dar um passinho de cada vez, caindo e retomando o equilíbrio, funciona muito bem para os bebês. Funcionou muito bem para você, também, quando estava aprendendo a andar.

Retome essa mente fresquinha de principiante e coloque um pé no chão.

E depois coloque o outro, depois o outro e depois o outro.

 

Você não é invencível ou incansável

Essa lição aqui é prima da lição ali de cima. A lógica por trás dessa frase é aquele velho e famoso pensamento: você pode fazer qualquer coisa no mundo, mas não pode fazer tudo ao mesmo tempo. E uma das coisas que podem acontecer contigo caso você não consiga decidir qual é a melhor opção é simplesmente escolher todas ao mesmo tempo. Problema resolvido!

Só que não.

Algumas pessoas levam muito pouco jeito para pensar nas coisas a longo prazo: o foco é tão no agora, no imediato, naquilo que você vai ter como sentir, tocar e colher os benefícios já amanhã, que as possibilidades futuras vão sumindo e se enfraquecendo. E bem: é claro que eu apoio a vida pautada no presente.

Esse é o único momento que nos é garantido de verdade.

Mas eu também apoio muito a saúde mental.

Eu apoio muito o bem estar, a paz dentro da cabeça e o uso estratégico dos seus recursos vitais. E isso às vezes é mais importante do que as suas metas super hiper urgentes. As coisas precisam de tempo para crescer, em primeiro lugar.

Colocar o seu foco em cinco projetos igualmente prioritários, igualmente exigentes e igualmente excitantes vai ferir todos eles. Você precisa conservar a sua integridade, em segundo lugar. Fisicamente, em termos de energia, em termos de tempo, financeiramente, mentalmente, emocionalmente, etc., etc. Se você tem um objetivo que é mais valioso do que a sua vida, toma cuidado.

Você pode estar metendo os pés pelas mãos.

Volte para o exercício da roda da vida e escreva, em um lugar especial, todas as coisas que você quer fazer nos próximos três ou cinco anos. Qual é a melhor forma de você alocar os seus recursos agora, no dia de hoje? Uma pergunta maravilhosa para se fazer é essa aqui: qual é o único projeto que, sozinho, mais vai afetar positivamente toda a minha vida? Aonde está o maior potencial de felicidade pra você, atualmente?

Seguir em frente com a vida e realizar as suas metas tem tudo a ver com decidir – e também tem tudo a ver com abrir mão. Aprenda a se concentrar em duas ou três coisas muito importantes por vez e nutra esse tipo de foco pra sempre.

 

Se organizar é um hábito

Trocando em miúdos, isso quer dizer que buscar a organização e a coerência na sua rotina é um estilo de vida, não uma solução rápida. É óbvio que existem remédios emergenciais e enchimentos para tapar buracos mais horrendos, mas você vai ficar muito frustrado se você se concentrar apenas em obter resultados imediatos.

Como eu disse lá em cima: as coisas levam tempo para acontecer.

E se você estiver na dúvida entre ser a pessoa mais produtiva da face da terra ou cumprir uma única tarefinha de merda hoje, escolha sempre a segunda opção. Um dia essa única tarefinha vai se transformar em dez únicas tarefinhas e, pouco a pouco, você vai perceber que a sua produtividade está aumentando. Você vai ficar mais forte.

O ato de se organizar e de colocar a mão na massa vai se tornar mais natural, mais fluído e menos facilmente abalável pelas situações externas. Se antes você conseguia cumprir X tarefas no dia, agora você vai conseguir fazer X + 3. Se antes você precisava perder uma hora para fazer certa coisa, agora você perde só 40 minutos.

Se organizar precisa ser uma atitude sustentável.

E, nesse sentido, é exatamente igual a sua tia da escola te contou: a tartaruga sempre vence. Ela não se cansa demais e ela não fica cheia de auto piedade depois que tudo desmorona. Fazer um pouquinho todos os dias – faça chuva, faça sol, esteja você com vontade de se organizar ou não – é a melhor forma de ter uma vida organizada.

Simples assim.

Aceite o que você é capaz de fazer hoje.

E se coloque uma meta de organização tão ridiculamente patética que até uma criança de seis anos conseguiria fazer. Será que você consegue listar ou pensar em duas tarefas super importantes que você poderia ou deveria fazer no dia de hoje? Ótimo! Esse é o seu objetivo do dia. Faça isso por algumas semanas e vá aumentando esse padrão aos poucos, de acordo com o movimento da sua realidade.

Seu queixo vai cair quando você ver até onde esse pequeno hábito pode te levar.

 

Concluindo

Se você for uma exceção à regra e tem alguma experiência que desminta ou que relativiza qualquer uma dessas verdades, por favor: comente aí embaixo me contando o seu ponto de vista. Quanto mais a gente conversa, fala e expõe as diferenças que existem no mundo, mais os coleguinhas podem aprender.

E se você for a regra de alguma dessas regras, fale também.

Todo mundo gosta de saber que não está sozinho.

E seja lá qual for a sua idade, me responda o seguinte: qual foi a maior lição de organização, de planejamento ou de produtividade que a vida te ensinou até hoje? Aquela coisa mais básica, um tanto quanto óbvia, talvez, mas que agitou o seu mundo e realmente abalou os seus antigos conceitos?

Adoro fazer essa pergunta nas entrevistas que faço aqui para o blog.

É impressionante a frequência com que a maioria de nós aprende mais ou menos as mesmas coisas. E é ainda mais impressionante o que pode acontecer na nossa vida quando resolvemos tomar vergonha na cara, levantar a bunda da cadeira e colocar pelo menos uma dessas lições em prática. 🌹


⚓️ CURTIU? AQUI TEM + IDEIAS BACANAS PARECIDAS, Ó: