Que tipo de procrastinador é você? + 7 dicas práticas

Quem não tem pelo menos uma boa história de procrastinação que atire a primeira pedra, não é mesmo? Todos nós temos e não há vergonha nenhuma nisso.

Procrastinar, assim como ter febre, costuma ser uma consequência de alguma outra coisa mais profunda: uma dificuldade, uma limitação ou uma insegurança.

A gente nunca procrastina só porque sim. Eu não sou e nem nunca conheci um procrastinador crônico e inveterado (que só sabe fazer as coisas na última hora e que nunca consegue se antecipar aos seus prazos), mas tenho um forte palpite que isso vale para todo mundo.

Mês passado mesmo eu me vi nessa situação: frente a frente com uma tarefa super importante, super difícil e que era um gatilho para uma grande dificuldade minha. A tarefa de um lado do ringue, eu do outro. Empurrei com a barriga por vários dias até chegar aquele fatídico momento em que você não consegue mais fugir, sabe?

Naquele dia em especial eu tinha dormido super bem, estava energizada e com bastante tempo livre pela manhã. Abri o computador, olhei para  a tarefa e só o que eu senti foi uma leseira geral. Um desânimo, uma moleza, quase como se o meu corpo estivesse literalmente tentando me proteger daquela tarefa! Doido demais.

Naquele momento eu percebi que não ia ter jeito: eu não só ia precisar finalmente fazer aquele bagaço, como ainda ia precisar fazer daquele jeito mesmo. Parece algo derrotista, mas foi, na verdade, uma grande sacada: nem sempre a gente consegue fazer uma coisa chata com um sorriso no rosto. Simples assim.

Se a tarefa que você anda procrastinando for realmente importante ou urgente, alinhada com os seus objetivos de vida e for te trazer resultados e conquistas maravilhosas, você simplesmente precisa fazer.

Sem pensar muito, sem sofrer por antecedência, sem recriar na sua mente os minutos agonizantes nos quais você vai precisar cumprir aquela tarefa. Simplesmente faça.

Te garanto por tudo nesse mundo: na hora H o seu cérebro vai te ajudar.

E para que você receba ainda menos rasteiras da procrastinação, quero te contar quais são os três grandes tipos de procrastinadores e o que cada um deles pode fazer para desatar esse nó antes mesmo dele aparecer.

Quando eu descobri essa teoria minha mente literalmente deixou cair um milhão de fichas, foi incrível. Aceite a sua tendência procrastinadora, abrace ela com carinho, mas não se conforme com ela.

Tudo debaixo do sol é passível de transformação e ó: a vida é realmente muito mais tranquila e prazerosa quando a gente encara os nossos desafios de frente e faz acontecer as nossas vontades reais. 💥

 
 

Procrastinador pinball

Tipo aquele jogo muito legal que existia antigamente, sabe qual é?

O procrastinador pinball, exatamente como a bolinha desse jogo, vive sendo jogado de um lado pro outro. Essa pessoa tem tantas ideias, tantos projetos em andamento e tantas ambições que ela mesma termina sendo responsável pela sua procrastinação.

Esse tipo de procrastinação faz você ficar ocupado o dia inteiro, passando de uma tarefa urgente para outra. À primeira vista, você é super produtivo. Mas se a gente for dar uma olhada de perto, será que você está fazendo o que é mais importante?

Eu tenho propriedade para falar do procrastinador pinball porque - adivinhe! - eu era assim. Me concentrar em apenas um punhado de projetos importantes e conseguir decidir o que de fato merece a minha atenção sempre foi um desafio.

Seja por indecisão ou por medo de se comprometer, o lance desse procrastinador é: ele não sabe por onde começar e aí, por via das dúvidas, não começa nada.

Ou, como era o meu caso, começa várias coisas e não leva nenhuma delas até o final. De todas as mil coisas que você tem para fazer, o que é realmente importante? Você consegue identificar as tarefas urgentes e dizer não para o resto? Consegue delegar e eliminar os projetos e iniciativas que não tem nenhum pouco a ver contigo?

Estar ocupado é absurdamente diferente de andar pra frente com a vida. ⚠️

O que o procrastinador pinball precisa é, antes de tudo, fazer uma lista bem objetiva e prática de tudo o que ele tem em andamento hoje em dia. Vá em frente: dê uma pausa nesse texto e faça isso agora, caso esse seja o seu caso. Quais são todos os projetos e compromissos regulares atuais? Quais são as coisas que você quer muito começar em breve?

Faça uma lista verídica, abarcando todas as coisas que você realmente quer começar. Tire algumas horas para olhar seriamente para esses itens e identificar qual deles realmente vale à pena.

Para onde você quer que a sua vida vá, afinal de contas? Se você precisa de um pouco mais de ajuda nesse tópico e o seu calcanhar de Aquiles é a indecisão, leia esse texto aqui sobre como criar metas de vida e, depois, esse aqui sobre a importância de decidir a próxima ação.

Outra estratégia útil para esse tipo de procrastinador é criar consequências ruins para a sua procrastinação. Ou seja: olhe o monstro bem no olho e tenha ele sempre em mente – isso talvez te dê um estímulo extra para correr atrás do prejuízo.

Volte na lista de projetos atuais que você acabou de fazer e realce todas as coisas que têm prazo: provas, relatórios, viagens, etc. Marque esses prazos finais no calendário e realmente dê prioridade à essas tarefas ao longo da sua semana.

O que vai acontecer de ruim se você estourar algum desses prazos? Qual é o pior cenário possível? Evite essas pequenas atrocidades e se dedique a exterminar essas tarefas primeiro. Em seguida, aplique essa outra estratégia: diminua o tamanho das suas tarefas até elas parecem formigas.

Isso serve principalmente para todos aqueles projetos pessoais que não têm uma data definida pra acontecer. Aquelas coisas que a gente diz “um dia eu faço isso” e termina, obviamente, nunca fazendo.

Olhe para a sua lista de projetos atuais e marque todos aqueles que não possuem prazo nenhum, dependendo apenas de você fazê-los ou não. Qual deles realmente te deixa animado? Qual deles mais ajudaria a melhorar a sua situação (financeira, emocional, profissional, pessoal) agora?

Quando isso estiver decidido, se concentre em quebrar essas grandes metas e projetos em coisas bem pequenas. Bem pequenas mesmo. Se o seu objetivo é conseguir um aumento no trabalho, por exemplo, uma das primeiras tarefas pode ser “criar o hábito de levar café para a minha chefe todo dia” ou “lembrar de ligar o ar condicionado da sala da minha chefe antes dela chegar”.

Parecem tarefas bobas, mas todo mundo concorda que até o pior dos procrastinadores conseguiria cumpri-las. Faça com que o seu objetivo final possa ser cumprido aos pouquinhos, com um micro (mas definitivo) passo de cada vez. Isso pode ajudar muitíssimo o seu músculo da ação! 🥊

Por fim, veja se você curte a ideia de criar uma rotina matinal da produtividade. Faça uma lista de algumas tarefas (entre três e seis) que você pode cumprir logo de manhã para ficar mais na onda de “fazer acontecer”. Coisas fáceis de serem cumpridas, mas que vão dar o tom certo para começar o dia.

Eita, acabei de descobrir exatamente que tipo de procrastinador eu sou!


Iniciar a manhã sendo produtivo e já ticando algumas coisas da lista de tarefas é um sentimento maravilhoso que dá ânimo pra qualquer um. E se você tem a tendência de procrastinar, pode ser um bom conselho para colocar em prática. Principalmente se a ideia de começar a manhã já atacando aquela tarefa mais cabeluda de todas te deixa totalmente desanimado e infeliz.

Lavar a louça, dançar com uma música alegre, meditar, ler, tomar um ótimo banho, fazer o café da manhã e levar o cachorro para passear são algumas ideias iniciais. Faça isso por alguns dias e veja se esse costume te ajuda a procrastinar menos quando você for fazer as tarefas da sua lista.

 

Procrastinador paralisado

Você já viu uma traça? Elas sempre param de se mexer quando a gente chega perto. Ficam durinhas da silva e ninguém diz que elas tem um corpo molengo.

O procrastinador paralisado fica exatamente assim quando encontra uma tarefa difícil demais: duro, rígido e sem se mexer. Quando a coisa é super fora da zona de conforto dele ou dela, a mente desse procrastinador logo pensa em cenários horríveis e imagina a enxurrada de críticas que ele ou ela vai receber.

O que realmente paralisa esse tipo de pessoa é a ideia de fazer alguma coisa errada. Você termina se paralisando porque odeia a ideia de alguém apontar o dedo no seu trabalho. Se você se considera um “perfeccionista incorrigível”, esse talvez seja o seu tipo favorito de procrastinação.

Se essa carapuça servir, venha ler esse texto sobre o perigo do perfeccionismo. Ele é direto ao ponto e vai levantar algumas reflexões bem necessárias para ti. De novo, posso dizer de cadeira: eu sei como é ser perfeccionista e já te adianto que isso está super longe de ser uma qualidade.

Quando a gente quer fazer as coisas perfeitas demais, sem nenhum espaço para correções, melhorias ou erros, algum circuito emocional está ligado. Afinal de contas, a gente sabe que todo mundo erra e já ouvimos a lenga-lenga que ninguém é perfeito dezenas de vezes.

Para quem você está tentando se provar, afinal? Seria mesmo tão horrível precisar refazer o trabalho ou demonstrar para os seus colegas de escritório que você não é todo esse poço de sabedoria que aparenta?

O procrastinador paralisado geralmente estoura os seus prazos e se mete em encrencas feias porque fica esperando o momento perfeito aparecer. Se ele for um estudante de faculdade, é daquele tipo que entrega os trabalhos bem no final do prazo máximo permitido porque reescreveu as mesmas respostas mil vezes.

Seja por medo, insegurança do que as outras pessoas vão dizer ou dificuldade de olhar bem fundo nos olhos da sua própria imperfeição, esse tipo de procrastinador acha melhor não fazer nada do que lançar um projeto que não é tão maravilhoso quanto poderia ser.

E para te dar um choque de realidade, deixa eu te contar uma parábola fantástica. Eu demorei anos para chegar no estágio de “perfeccionista em recuperação”, mas foi essa história que me fez olhar para esse problema de um jeito diferente.

Um professor de cerâmica decidiu, certo ano, dividir a turma em dois grupos e dizer que, para passar, cada grupo precisaria entregar um trabalho distinto. O grupo A precisaria fazer apenas um único pote de cerâmica perfeito e entregar ele no último dia de aula. Se o pote ficasse bom, eles passavam.

O grupo B precisaria entregar 50 potes de cerâmica até o final do ano. Não importava o quão bom eles ficassem, o importante era que fossem 50. Acho que você já adivinhou aonde eu estou querendo chegar, né?

Os alunos que fizeram cinquenta potes de cerâmica conseguiram chegar muito mais perto da perfeição e conseguiram ter uma qualidade técnica muito mais evoluída do que aqueles que fizeram apenas um pote.

Então, antes de tudo, escreva isso aqui na sua testa: ninguém faz nada perfeito de primeira. Nem de segunda, nem de terceira, nem de quarta e assim por diante. Tente sair desse ciclo vicioso mental que te diz para esperar mais um pouquinho, porque “semana que vem eu vou consegui fazer algo muito bom e aí, sim, eu entrego”.

Você não vai. Ponto. 💜

As suas habilidades específicas e gerais vão melhorar para caramba quando você se concentrar em colocá-las em prática. Ninguém consegue escrever melhor guardando textos e projetos na gaveta, por exemplo.

Quando você se sentir procrastinando algo e não souber porque, pare tudo e converse com você mesmo - talvez em voz alta, talvez escrevendo em um caderno ou conversando com um amigo íntimo. Se faça algumas perguntas para tentar entender o que você está sentindo.

Será que a sua tarefa atual apertou o gatilho de uma experiência ruim que já aconteceu antes? Será que, no fundo no fundo, você está tentando se provar para alguém (mãe, pai, professor, você mesmo) e tem medo de não conseguir a aprovação dessa pessoa? Será que você tem medo que riam de você em público?

Vá fundo na análise e aprecie com humildade todas as respostas que surgirem. O importante é lançar luz nos momentos de procrastinação e entender o que eles estão querendo nos dizer – dica que vale para qualquer tipo de procrastinador, aliás.

E se a sua conclusão for que sim, você está com medo, tente fazer uma lista de todas as coisas boas e maravilhosas que podem acontecer se você realmente entregar essa tarefa. O quanto que esse pequeno pedaço de ação pode te ajudar? Como que a sua vida vai ser um pouco ou muito melhor depois que essa tarefa estiver feita?

Realmente pense nos aspectos positivos: feche os olhos e imagine você mesmo daqui a uns dias ou semanas. Se for uma grande tarefa, pense em como a sua vida vai ser diferente depois dela. A sua saúde vai melhorar, a sua auto-estima vai ficar um pouco mais alta ou a sua confiança no trabalho vai subir um pouquinho.

E mesmo que seja uma tarefa bem pequena, pense em como ela pode melhorar a qualidade do seu dia! O seu humor pode ficar um pouco melhor, você pode ganhar mais meia hora de tempo livre para ler um livro ou pode terminar dormindo um pouco melhor e acordando com ainda mais fôlego no dia seguinte.

Dê voz ao lado otimista da sua imaginação e deixe que ele contrabalance os medos e as inseguranças. Na prática, a situação vai continuar a mesma mas, quem sabe, você não ganha ânimo suficiente para se mexer? 🙅

 

Procrastinador pressionado

Quem nunca se sentiu terrivelmente pressionado pelas coisas chatas da vida? Quem nunca adiou fazer o imposto de renda, pagar o IPTU, comprar o material escolar das crianças ou limpar as janelas da casa?

O que quer que isso seja para você, todo mundo precisa lidar com tarefas burocráticas, dolorosas ou profundamente repetitivas e chatas.

Um parente vai para o hospital, alguma pessoa morre, o dono do apartamento alugado pede ele de volta, acontece um vazamento na cozinha ou o professor muda o prazo final do trabalho. Seja o que for, todos nós somos afligidos por esse tipo de procrastinação ao longo da vida.

O procrastinador pressionado é aquele que sente que o seu tempo é valioso demais e a sua inteligência é muito grande para perder tempo com tarefas mundanas, automáticas, entediantes ou sem sentido.

O que realmente impede essa pessoa de agir é a dor antecipada que o cérebro já imagina que aquela tarefa vai trazer. “Isso é tão entediante, burocrático e sem nenhum ganho aparente, vai ser horrível!”, você pensa. E bem, lamento te dizer: talvez seja mesmo. Mas aí entra a moral da história que eu te contei lá na introdução.

Romper o hímen de uma tarefa chata, por assim dizer, é sempre a pior parte. Não é prazeroso, não é estimulante, não é surpreendente. 👍

É só chato, na melhor das hipóteses, e pode ser realmente uma imensa perda de tempo, na pior delas. Mas olha só que coisa doida: isso não importa nenhum pouco! Você ainda precisa fazer essa tarefa.

E por pior que seja essa situação, uma das melhores coisas que você pode fazer é realmente parar de pensar. Corte esse circuito dentro da sua cabeça que fica te monstrando a mesma cena horrível todas as vezes em que você pensa naquilo.

Pensar em como aquilo é super chato vai te ajudar a agir? Nenhum pouco. Eu sei que é difícil, mas é planamente possível. Corte o mimimi pela raiz e, da próxima vez que você pensar nessa tarefa, faça ela na hora.

Isso mesmo, na hora: sem pensar, sem enrolar – se for possível, é claro. Talvez você se lembre dela no meio do trânsito ou enquanto toma banho. Se for o caso, faça ela assim que as condições forem propícias. Você com certeza vai perder um pouco do seu tempo precioso, mas vai ganhar duas coisas mil vezes melhor em retorno: paz mental e confiança.

Aplicar a estratégia descrita lá em cima, de realmente trazer à vida os lados positivos daquela tarefa péssima, também pode ajudar muito.

Pense que você é um ninja e que a sua espada vai cortar apenas os problemas. Um depois do outro, nenhum deles vai resistir à sua força! Sinta aquela satisfação prazerosa de tirar o bode da sala.

Sabe como?

Imagine que você está vivendo tranquilamente, muito bem obrigada, e de repente alguém coloca um bode bem no meio da sua sala. Ele vai correr, sujar os tapetes, mastigar o sofá, arruinar as cortinas e fazer cocô no chão. Vai ser um pesadelo. Pense, então, que alguém de repente tira o bode e leva ele em embora.

Aposto que você suspiraria de alívio. Dar um basta em uma situação super trabalhosa faz a gente apreciar melhor as coisas boas que a gente já tem. De repente, todas as pequenas bençãos e luxos do nosso dia-a-dia ficam mais interessantes e coloridos.

Já que não podemos evitar um bode na sala vez ou outra, porque não escolher tirar o melhor dessa situação? Saia da sua cabeça e acabe logo com essas tarefas de vez. Acredite em mim: você consegue!

 

Concluindo

Todo mundo procrastina? Todo mundo procrastina. Todo mundo tem algum medo ou insegurança profunda? Todo mundo tem algum medo ou insegurança profunda. Isso faz da gente pessoas horríveis? Nenhum pouco. 💫

Isso faz da gente seres humanos, passíveis de erros e de crescimento – exatamente o que cada um de nós realmente é! Espero muito que esse texto tenha te ajudado a entender melhor as suas armadilhas internas e que, obviamente, as estratégias descritas realmente te ajudem.

Você se identifica como um procrastinador desde quando? Qual é a sua maior pedra no sapato quando o tema é levar as coisas nas coxas? Comente aí embaixo a sua experiência e me diga qual dessas dicas mais te ajudou!

Vamos trocar experiências e, como sempre, continuar crescendo.


🤺 CURTIU? AQUI TEM + IDEIAS BACANAS PARECIDAS, Ó: